Por volta da 13h da tarde do domingo, um americano de 36 anos foi espancado por um grupo de pessoas com fantasias e máscaras dentro do elevador do hotel “The Jane” localizado em Nova York, Estados Unidos.

Segundo a polícia local, cinco homens e duas mulheres de aproximadamente 20 anos, insultavam o homem com palavras homofóbicas enquanto batiam e chutavam a cabeça dele. Os suspeitos ainda não foram presos, mas a polícia liberou uma foto da câmera de segurança do momento em que esperavam a vítima no corredor do hotel.

O homem que sofreu esse #Ataque covarde foi levado ao Hospital “Mount Sinai” para tratar os ferimentos na cabeça.

Publicidade
Publicidade

EUA

Também em Nova York, outro ataque contra gays aconteceu em um trem. O agressor não identificado, entrou no transporte público e abordou o homem de aproximadamente 28 anos, que estava acompanhado pelo seu namorado e sua irmã.

Segundo a polícia, o suspeito insultava repetidamente a vítima e ameaçou dizendo "Vamos ver o que vai acontecer na próxima parada". Assim que o trem parou, o agressor se aproximou do homem e acertou um golpe no peito dele, com um objeto não identificado.

Antes que alguém fizesse algo, o homem fugiu do trem, e a vítima precisou ser levada para o Hospital "Mount Sinai St. Luke". Ele foi submetido a uma punção no tórax, onde sofreu o ataque. Até hoje, o suspeito não foi localizado pela polícia, mesmo cometendo o crime em um transporte público, onde deveria ter segurança a todo momento.

Publicidade

Rússia

Outro caso chocou o mundo. Em julho um menino de 17 anos foi morto em sala de aula por ser gay. Vários alunos o amarraram e tentaram afogá-lo na privada. Tudo isso estava sendo levado como uma "brincadeira", com risadas e insultos a Sergei Casper, estudante sorridente, que adorava cantar.

Depois de ser levado para sala de aula, ainda com os pés e mãos amarrados, Sergei perdeu o equilíbrio e bateu a garganta em uma mesa. Todo o ocorrido foi gravado pela câmera instalada dentro da sala. Quando a polícia chegou ao local, ele já estava morto. 

Até quando?