Nove pessoas foram feridas a tiro no campus na Universidade Estadual de Ohio, na manhã desta segunda-feira (28).

De acordo com o portal de notícias G1, o campus da cidade de Columbus, permanece isolado e em alerta máximo.

Segundo informações da polícia de Columbus, das nove vítimas socorridas após o tiroteio e levadas para o hospital da região, uma está em estado crítico. Um suspeito do ataque a universidade, foi morto, informou a polícia.

Ainda não há informações sobre o estado de saúde das demais vítimas.

Cerco a Universidade Estadual de Ohio

Assim que o atirador entrou em ação, o serviço de emergência do Campus na cidade de Columbus, informou através do Twitter sobre o ataque: "Atirador ativo no campus.

Publicidade
Publicidade

Fujam, escondam-se, defendam-se". A mensagem pedia que as pessoas permanecem escondidas e em silêncio. E caso fosse necessário e como último recurso, qualquer indivíduo poderia anular o atirador, em outras palavras, matá-lo.

De acordo com as informações dadas pelo jornal "Washington Post", a Universidade Estadual de Ohio, tem aproximadamente 58.600 estudantes, em seu campus principal na cidade de Columbus, onde aconteceu o ataque.

Testemunhas relataram que ouviram vários disparos e que logo depois as vítimas foram socorridas e levadas para o hospital.

O campus da Universidade está cercado, a polícia está fazendo uma varredura minuciosa nos prédios da instituição. Embora a polícia confirme que o suspeito estaria morto, há relatos de um outro atirador a solta no campus.

Agentes da polícia local, pediram que os moradores permanecessem em suas casas até que não houvesse mais perigo para ninguém.

Publicidade

A Universidade de Ohio é a instituição pública de ensino superior mais antiga do estado, localizada no noroeste dos Estados Unidos da América.

Prédio de Ciências e Engenharia

A ação do atirador aconteceu no prédio de Ciências e Engenharia, conhecido como Watts Hall. Vários carros da polícia cercaram o local.

Infelizmente casos como este são muito comuns nos Estados Unidos. Por este motivo, cresce o movimento contra o livre comércio de armas, naquele país. #Terror #EUA #É Manchete!