Nessa segunda-feira (28), a Universidade de Ohio, Estados Unidos, foi palco de um tiroteio que deixou ao menos 9 feridos.

As vítimas foram encaminhadas para o hospital e segundo a imprensa local uma delas tem o estado de saúde crítico.

Informações preliminares dizem que o suspeito foi morto pela polícia e que a situação foi estabilizada. Logo em seguida, as aulas foram canceladas e os alunos orientados a voltarem para suas casas.

A situação de alerta começou quando a Universidade emitiu um comunicado aos alunos e funcionários dizendo que havia um atirador a solta e orientava para que fugissem e se protegessem da melhor maneira.

Publicidade
Publicidade

Barricadas foram feitas para que evitassem a entrada do atirador nas salas.

Brasileiro que trabalha na instituição diz que não se desesperou

O brasileiro Gustavo Stille, de 29 anos, que trabalha na Universidade relatou ao site G1 que viu pessoas entrando em desespero, mas que ele ficou tranquilo e sabia como agir. “Não tinha passado por isso antes, mas a gente é treinado pra saber reagir. A gente já sabia as rotas de evacuação, a expectativa do que acontece numa situação dessa. O treinamento me deixou seguro, sabia o que tinha que fazer”.

Devido ao fato dos americanos serem frequentes alvos de tragédias como essa, recebem treinamentos para saber como agir nesses casos de emergência. E entrar em pânico com certeza não é uma alternativa, pois isso só agravaria a situação. Treinamentos como esse é que ajudam que pessoas, assim como o Gustavo, saiam ilesas de situações de perigo.

Publicidade

Outros atentados em escolas e universidades dos Estados Unidos

Não é a primeira vez que atiradores fazem vítimas em escolas e universidades nos Estados Unidos. Relembre alguns casos:

No ano 2007, o coreano Cho Seung-Hui de 23 anos, matou 32 pessoas entre estudantes e funcionários no campus da Universidade de Virgínia Tech e se suicidou.

O atirador, Adam Lanza, de 20 anos, no final do ano de 2013 invadiu a escola primária de Newport, em Connecticut, e mantou 20 crianças entre cinco e dez anos de idade. Após o massacre ele tirou sua própria vida.

Em 2014, um estudante morreu após ser alvejado por um atirador na escola próxima da cidade norte-americana de Portland. O atirador também morreu no local. #tiroteioohaio