Um atirador abriu fogo, matou uma pessoa e deixou outras três feridas em atentado próximo a duas zonas eleitorais de Azusa, Califórnia, nesta terça-feira (8). De acordo com a CNN, as vítimas foram socorridas de helicóptero para um hospital, mas uma delas não resistiu aos ferimentos. O estado de saúde dos demais atingidos não foi divulgado oficialmente. 

Segundo fontes locais, os policiais foram recebidos a tiros quando chegaram na área do acontecimento. Pelo menos 20 disparos foram feitos contra os oficiais e, felizmente, nenhum deles foi atingido. O atirador foi cercado dentro de uma casa e fez uma barricada. Por conta disso e sem saber se há outras pessoas estimuladas a realizar ação semelhante, a força policial orientou a todos que permaneçam em ambiente seguro, preferencialmente dentro de suas casas.

Publicidade
Publicidade

De acordo com uma testemunha, que preferiu não se identificar, os tiros não partiram de dentro dos locais de votação. Outro espectador do caso, Roberto Chavez, de 67 anos, declarou ter visto o suspeito fortemente armado, vestindo camisa branca, calça preta e vestimentas à prova de balas, correr e entrar em uma casa a três ruas de distância do local do atentado. Segundo Chavez, o suspeito costuma frequentar a vizinhança, mas não sabe como ele se chama. Para ele, as vítimas parecem ser moradores do bairro.

A Polícia de Azusa anunciou que vai realizar uma coletiva de imprensa às 22h30 de Brasília.

Eleições nos Estados Unidos

O substituto de Barack Obama será escolhido nesta terça (8), quando #hillary clinton e Donald #Trump embatem nas urnas. A candidata do partido democrata é considerada favorita à cadeira e sua campanha ganhou fôlego após o FBI confirmar que inocentou a candidata pelo suposto uso de um servidor privado de e-mails quando exercia o cargo de secretária de Estado. 

Já o bilionário Trump sempre foi uma figura controversa por seus posicionamentos radicais e machistas.

Publicidade

Algumas declarações foram, inclusive, utilizadas em peça de campanha de Hillary. No vídeo, o republicano classifica algumas mulheres como "gorda" e "puta". #EUA