Com a era tecnológica as pessoas estão cada vez mais viciadas e distraídas. A revolução da internet trouxe bônus mas também ônus à sociedade. Isso é evidenciado através de inúmeras situações que demonstram que os seres humanos cada vez mais se empenham em mostrar o que acontece em seu dia-a-dia e deixam de viver e aproveitar o momento, o que é considerado um retrocesso da sociedade, visto que a prioridade tem sido a exposição nas redes e não mais a diversão.

Recentemente um turista #brasileiro demonstrou o quanto o status e a necessidade de se expor nas redes sociais pode levar a acontecimentos catastróficos. Durante uma viagem a Lisboa o brasileiro fez uma visita ao Museu Nacional da cidade, para observação das antiguidades.

Publicidade
Publicidade

Foi quando resolveu tirar uma #Selfie e acabou derrubando uma estátua de São Miguel que tem mais de 400 anos. A perda foi mais que monetária nesse caso, visto que a estátua tão antiga representa um enorme valor cultural para Portugal. Um funcionário do museu ficou impressionado com a situação e chegou a afirmar que, em tantos anos trabalhando no local, jamais tinha presenciado algo daquela magnitude.

Esta não é a primeira vez que o amor por selfies e a necessidade de mostrar as situações que vive para todos da #Rede acaba terminando em tragédia. Há casos de pessoas que, por necessidade de tirar uma boa foto, já perderam a vida ou se machucaram muito.

Um exemplo é o caso de Andrey Retrovsky. O jovem morreu após subir em um edifício e se dependurar para tirar uma foto, caindo. Uma universitária também foi vítima ao tentar tirar uma selfie em uma ponte.

Publicidade

Ambos os casos aconteceram na Rússia. E situações como essa ocorrem diariamente. Já há dados de que selfies matam mais que ataques de tubarão no mundo.

Especialistas alertam para essa contínua necessidade de exposição que pode ter consequências danosas. Estudos recentes indicam que o fenômeno da selfie pode prejudicar a vida em sociedade, tendo em vista que isso pode afastar as pessoas do mundo real, das amizades e das coisas físicas que a vida proporciona.