Independentemente da ideologia política de cada pessoa no mundo, é inegável que existiram líderes que mudaram a história do seu próprio país e, por que não dizer, das relações diplomáticas vigentes em âmbito internacional. Uma dessas personalidades foi, sem sombra de dúvidas, o líder comunista cubano #Fidel Castro. Ele morreu na noite do dia 25 de novembro, aos 90 anos de idade (fez aniversário em 13 de agosto). A pedidos do próprio Castro, o seu corpo deverá ser cremado, informou a agência noticiosa Prensa Latina, que se orientou nas palavras de Raúl Castro, que é irmão de Fidel e o atual presidente de #Cuba.

O emblemático Fidel Castro se tornou o principal empreendedor da conhecida Revolução Cubana no ano de 1959, responsável pela derrocada do ditador Fulgencio Batista, que foi acusado por muitos de ser uma marionete dos interesses do governo de Washington (EUA) na ilha.

Publicidade
Publicidade

Castro, que é reconhecido mundialmente, nasceu no ano de 1926 e, a partir da década de 70, mais especificamente em 1976, foi comandante-em-chefe das Forças Armadas Revolucionárias, presidente do Conselho de Estado e do Conselho de Ministros de Cuba, condição essa que durou 30 anos, já que em 2006, por estar com a saúde extremamente debilitada, Fidel se isolou da vida pública, outorgando as mesmas funções para o seu irmão mais novo, Raúl Castro.

A revolução em Cuba teve início na data de 11 de março de 1952, com golpe militar perpetrado pelo general Fulgencio Batista. Castro encabeçou os primeiros grupos de cubanos que tinham a intenção de resistir ao golpe. Fidel se responsabilizou diretamente pela organização estratégica do apoio para tirar Batista do poder. Tanto é assim que, em 26 de julho de 1953, o Quartel Moncada foi atacado sob a liderança do líder esquerdista de Cuba.

Publicidade

Todavia, a ofensiva não obteve sucesso e Castro foi preso, sendo condenado a 15 anos de detenção. Por outro lado, os cubanos pressionaram os líderes do poder na ocasião e Fidel foi anistiado em 1955, ganhando a liberdade.

A partir daí, Castro ficou no exílio em terras mexicanas, de onde deu continuidade às rebeliões dentro do território cubano, para que finalment,e em dezembro de 1956, os guerrilheiros sob a chefia de Fidel pudessem aportar na província de Oriente, em Cuba. Foi nesse local que os soldados revolucionários ganharam musculatura, se transformando no Exército Rebelde. Em 1º de janeiro de 1959 mais uma página da história foi escrita, com a destruição da ditadura de Batista na ilha tropical, por Fidel Castro e seus homens. #Guerra Civil