Neste sábado, 19, voltou a repercutir um vídeo que mostra um bebê, de aparentes um ano de idade, que aparece recebendo produtos que não são nada recomendados à sua idade. As imagens foram compartilhadas em grupos de apoio ao deputado federal Jair Bolsonaro, do PSC do Rio de Janeiro, e também em aplicativos, como o WhatsApp. A criança recebe cerveja e cigarro nas imagens. Ela é incentivada a dar um trago no objeto. Com o corpo de cerveja nas mãos, ela ouve de dois rapazes homossexuais para continuar a fazer a ação. O menino, que usa um boné estiloso, parece que já estava acostumado a ingerir as substâncias e ri bastante do acontecido, que é filmado por um dos homens.

Publicidade
Publicidade

A situação voltou a repercutir graças à uma reportagem do site 1News deste sábado. No entanto, o caso chocou o mundo pela primeira vez ainda no ano passado, quando as imagens caíram pela primeira vez nas redes sociais. A situação agora, infelizmente, está sendo usada contra os homossexuais, que lutam para ganhar mais espaço na sociedade, conseguindo, por exemplo, o direto de adotar. Ainda hoje, em muitos países, transar com uma pessoa do mesmo sexo pode levar da prisão à pena de morte. Levando-se em conta isso, entidades que protegem os direitos LGBT, dizem que o caso registrado é isolado e não condiz com o comportamento de pais gays. Os homens não chegaram a ter seus nomes revelados, mesmo depois de tanto tempo.

Uma pessoa identificada como Daniel Tecu, da Romênia, foi quem postou o conteúdo nas redes sociais.

Publicidade

Ele recebeu muito apoio na empreitada, mas não se sabe até que ponto a fama do casa fez com que essa família tivesse alguma alteração, como se a criança teria ou não sido retirada dos supostos pais. "Meu Deus, que horror! Gente, isso é muito criminoso. É preciso ter cuidado na hora de se levar uma criança para seus novos pais", disse um internauta.

Veja o vídeo original, que traz tudo o que aconteceu com essa criança. Como alertamos, apesar de sere noticiado novamente por alguns sites, o material é do ano de 2011.

#Crime #Investigação Criminal