De acordo com informações de pessoas próximas ao casal, Paolo Pietropaolo, de 42 anos, tinha muito ciúmes de sua ex-mulher, Carla Caiazzo, 38 anos. Por conta disso ela decidiu terminar o relacionamento com Pietropaolo, que resolveu se vingar ateando fogo na ex- mulher que estava grávida de um filho seu. O caso foi registrado no início de fevereiro na cidade de Formia, na Itália, mas voltou a ser noticiado devido ao julgamento do réu. Após o júri, o juiz Egle Pil condenou Paolo a 18 anos de prisão em regime fechado. Além da pena, o homem terá que indenizar Carla no valor referente a R$ 897 mil, além de ter que repassar R$ 177 mil para a filha do casal.

Publicidade
Publicidade

Em seu depoimento perante o Tribunal de Justiça, Paolo negou ter tentado assassinar a mulher. Ele disse que colocou fogo em seu rosto para que ela não fosse desejada por outros homens. Na época, Carla teve em torno de 50% do corpo queimado pelo álcool.

As testemunhas que presenciaram a cena contaram que a briga do casal começou depois que Carla contou para Paolo que pretendia deixá-lo. Irritado com a situação, o homem tentou asfixiá-la e desferiu vários socos contra o rosto da mulher. Logo em seguida ele pegou um litro de álcool industrial e despejou sobre o corpo de Carla e ateou fogo contra o corpo da mulher. Após as agressões, Pietropaolo fugiu de carro do local do crime. Logo em seguida ele acabou se envolvendo em um acidente de trânsito, quando acabou sendo preso por estar dirigindo sob efeito de drogas.

Publicidade

Após a abordagem os policiais também descobriram que o homem havia agredido a ex- namorada.

Por sorte a mulher foi salva por vizinhos que testemunharam a briga e correram em direção ao apartamento do casal, onde encontraram a mulher desacordada no meio da sala. Foi então que eles decidiram levar a mulher ao hospital mais próximo. Os médicos de plantão decidiram fazer uma cesariana de emergência com o objetivo de salvar o bebê.

Mãe e filha passam bem. Mas, como consequência do ataque, a mulher teve o rosto completamente desfigurado. No decorrer do ano ela precisou passar por várias cirurgias a fim de tentar reconstruir a face e diminuir as cicatrizes da agressão. #Casos de polícia