Um #Crime horrendo, divulgado nesta terça-feira (8), por um dos jornais mais conceituados dos Estados Unidos, The Washington Post, revela o lado mais sombrio das comunidades carentes da Índia.

Conforme o periódico, uma menina de 4 anos foi decapitada e teve os braços arrancados durante um sinistro ritual de magia negra, em 24 de outubro, numa aldeia pobre do estado de Charaideo, na região nordeste da Índia.

Segundo os jornalistas Travis M. Andrews e Swati Gupta, o sacrifício aconteceu após os pais de uma garota de 14 anos, que residiam na mesma aldeia, procurarem um praticante de magia negra chamado Gul Mhammad Ali, conhecido no vilarejo pelo apelido Gulam.

Publicidade
Publicidade

Na ocasião, o casal pediu ao bruxo para realizar um ritual no intuito de encontrar o celular da filha, que o havia perdido. Como parte da medonha cerimônia, Gulam esquartejou a menor de 4 anos em oferenda aos espíritos sanguinários pertencentes à crença dele.

Em entrevista exclusiva ao Post, o policial indiano Prasanta Phukan revelou que a comunidade onde o crime aconteceu é composta por pessoas supersticiosas e analfabetas.

Phukan ainda acrescentou o fato do bruxo ter usado o sobrinho Hajrat Ali, e outra pessoa, Ariful Haqmulla, como assistentes no demoníaco ritual, onde uma garota de 4 anos fora desmembrada somente para que um celular perdido fosse achado.

Segundo o policial, a criança, desaparecida desde 24 de outubro, foi identificada na segunda-feira, 7 de novembro, numa propriedade perto de onde a vítima residia.

Publicidade

A cabeça e os braços estavam próximos ao corpo da menor.

Prisão dos envolvidos

Autoridades noticiaram que o pai da garota de 14 anos, Hanuman Bhumij, responsável por procurar o bruxo, foi preso. Além dele, os dois assistentes do assassino também foram pegos. Contudo, Gulam conseguiu fugir e ainda não foi localizado.

Repórteres do Washington Post salientaram que a indiana de 14 anos, por ser menor de idade, não pode ser detida

A polícia ainda acentuou que a família da vítima e as pessoas que participaram do macabro ritual se conheciam e eram ‘amigos’.

Ela também revelou que devido a pobreza das comunidades existentes no nordeste indiano, habitantes dessas localidades costumam acreditar em deuses e bruxas, e que crimes envolvendo sacrifícios humanos acontecem com frequência nas regiões rurais do país. #Curiosidades #Internet