Trump já fez seu primeiro discurso como presidente eleito dos Estados Unidos da América. Ele fez questão de congratular Hillary Clinton por tudo que ela fez ao país, mas já foi logo ressaltando que será um presidente de todos e não apenas de alguns, tentando amenizar o clima, já que os protestos começaram não só por lá, mas em vários países. O republicano sabe que será de fundamental importância contar com o apoio de todos em seu governo, por isso, já começou a adotar um discurso mais ameno.

Para o presidente eleito, o importante agora é reunificar o país que ficou bastante dividido durante toda a campanha para a presidência.

Publicidade
Publicidade

Trump alcançou os 276 votos com a vitória em Dakota do Norte e também em Wisconsin, sendo que ele precisava de 270 para ser o novo presidente. Antes do resultado final, o novo presidente disse que se Hillary vencesse, ele não iria fazer o discurso admitindo sua derrota.

O chefe da campanha de Hillary havia dito, mais cedo, que não poderia aceitar a vitória ainda, já que haviam votos a serem contabilizados e era preciso aguardar até o encerramento. John Podesta chegou a fazer um rápido pronunciamento a respeito e disse que "cada voto deve ser contado".

O Japão já havia convocado uma reunião emergencial antes mesmo da confirmação de que Trump tinha sido eleito. A reunião foi convocada pelo Ministério Japonês de Finanças, a Agência de Serviços Financeiros e o Banco do Japão. A reunião será nesta quarta-feira (09) e os representantes dos três organismos irão debater em Tóquio sobre o novo rumo da economia.

Publicidade

Quando Trump venceu na Pensilvânia e também no Alaska, muitos já davam sua vitória como certa. Na Pensilvânia, ele garantiu 20 votos, com mais 3 no Alasca e chegou a 267 votos no total, ficando bem perto dos 270 que eram necessários. Os 3 votos que faltavam seriam facilmente obtidos e foi nesse momento que já começou a circular a notícia de que ele tinha vencido as eleições para presidente dos Estados Unidos.

Aqui no Brasil, muita gente usou o Twitter para protestar contra a vitória de Trump.

#Estados Unidos #Donald Trump #Eleições EUA 2016