Neste domingo (13) o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, concedeu sua primeira entrevista com exclusividade para o canal de televisão americano CBS. O republicano não voltou atrás e confirmou sua promessa de campanha afirmando que abrirá mão de seu salário como presidente, que gira em torno de US$ 400 mil (cerca de R$ 1,3 milhão) por ano. “Não vou ficar com salário. Não vou ficar”, disse de forma direta após ser perguntado pelo seu entrevistador se cumpriria sua promessa que havia sido feita em setembro de 2015. Como não é previsto na legislação americana que o presidente fique sem salário, Trump receberá mensalmente apenas um valor simbólico de 1 dólar em sua conta (em torno de R$ 3,40).

Publicidade
Publicidade

Trump afirmou estar triste com notícias a seu respeito

#Donald Trump mostrou um lado “mais sensível” em sua entrevista e afirmou que, nos últimos dia, está ficando “entristecido” com as notícias e as informações veiculadas na grande mídia a seu respeito. A “tristeza” de Trump tem a ver com as notícias que afirmam que, após assumir o cargo, irá perseguir e intimidar as minorias do país. “Odeio ouvir isso. E se isso vai ajudar, eu digo: parem de dizer isso”, afirmou ele com os olhos fixos na câmera.

Promessa será cumprida

Mesmo estando “triste” com as notícias ele não recuou em suas promessas e disse que cumprirá o compromisso de deportar aos seus respectivos países três milhões de imigrantes ilegais. Ele garantiu que essa operação de deportação acontecerá logo no início de seu mandato.

Publicidade

Protestos

Ele não se calou sobre a onda de protestos contra sua posse que vem tomando conta de diversos pontos dos Estados Unidos. Sobre isso, ele afirmou que as pessoas tem que parar de ter medo do futuro. Ele afirmou que algumas pessoas que participam de protestos também são profissionais no assunto e que desejam apenas fazer número. Aos que afirmam ter medo de seu mandato ele apenas disse que trará os Estados Unidos de volta ao seu lugar. “De forma alguma tenham medo. Vamos trazer o nosso país de volta”. #EUA #Eleições EUA 2016