Nesta segunda-feira (31), uma jovem recebeu a punição de 23 chibatadas por ter se aproximado muito do seu namorado. O fato ocorreu na Indonésia, na cidade de Banda Achém. A região é habitada, em sua maioria, por muçulmanos. Desse modo, a sociedade segue uma rígida lei moral aliada as leis sociais.

A matéria é do jornal internacional Daily Mail. Ele informa que a jovem que é acusada de se aproximar muito do seu namorado tem apenas 20 anos. A punição foi aberta ao público em frente a uma mesquita. A jovem foi obrigada a se ajoelhar de frete para o público e receber as 23 chibatadas. Nas imagens é possível ver a jovem chorando.

Publicidade
Publicidade

Os muçulmanos seguem uma doutrina extremamente rígida em relação ao contato com as pessoas não casadas. Assim, ao ser flagrada “muito próximo” do namorado, isso configurou uma conduta inapropriada, segundo as tradições muçulmanas.

Além da jovem, também estavam esperando para serem punidos cerca de 13 pessoas, todos eles jovens de faixa etária entre 21 e 30 anos que cometeram conduta contraria a moral e aos costumes da religião muçulmana.

Sharia 

A Indonésia é um dos países mais populoso do #Mundo. Banda Achém é a única região onde está autorizada a aplicação da lei islâmica, conhecida por eles como “sharia”. Tais normas de conduta e punição foram aceitas em 2009 pelo governo. A sharia começou a ser colocada em prática em Achém após obter o status de autônoma, o que colocou um fim em uma guerra separatista.

Publicidade

Nesta localidade são proibidos o consumo de álcool, as apostas e qualquer tipo de relacionamento homossexual. Em Achém também é proibido para as mulheres frequentar alguns lugares desacompanhadas, como por exemplo point de cibercafés e restaurantes, depois das 23 horas. Elas também não podem trabalhar nestes locais. O governo alega que estas leis têm como objetivos a proteção das próprias mulheres da cidade.

Além de tudo isso, a lei muçulmana também pune as pessoas adulteras com apedrejamentos até a morte.

Tais fatos têm chamado a atenção da comunidade internacional. ONGs de apoio aos direitos humanos denunciam as práticas, mas não obtém sucesso, uma vez que elas são apoiadas pela própria sociedade. #Curiosidades