Apesar de Donald Trump assumir a presidência dos Estados Unidos somente em 20 de janeiro de 2017, eleitores contrários e favoráveis ao polêmico bilionário já se enfrentam nas ruas de várias cidades da nação mais poderosa do planeta.

Embora a imprensa internacional avalie os votantes da rival Hillary Clinton (partido Democrata), como sendo pessoas com curso universitário, músicos, artistas, enfim, intelectuais de modo geral, a atitude dos derrotados demonstra que o pacifismo apresentado durante a campanha, cedeu lugar à fúria, à indignação e à frustração.

Um exemplo do primitivismo dos fracassados pode ser observado no vídeo desta matéria, onde um votante de Trump é covardemente espancado por dois sujeitos, enquanto a mulher que grava o episódio grita: “ele votou Trump!”.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o jornal inglês Metro, o episódio mostra um homem de meia idade, trajado com moletom azul e calça jeans, levando diversos socos e chutes, somente por ter escolhido um candidato diferente dos agressores.

No decorrer do filme, quando a vítima tenta se levantar, os dois algozes, inconformados com o resultado da eleição, reiniciam a brutalidade.

Ao redor da confusão, pessoas gritam “ele votou Trump!”, numa nítida negação aos direitos civis e democráticos, que permitem a qualquer cidadão votar no candidato que desejar. Esse tipo de atitude viola os pilares que sustentam os #EUA desde a fundação, em 4 de julho de 1776.

A cidade e o nome dos envolvidos não foram divulgados.

EUA à beira do caos

De acordo com o Metro, logo após a vitória de Trump, apoiadores de Hillary demonstraram que não sabem lidar com o insucesso.

Publicidade

Indignados, milhares de pessoas saíram às ruas de Portland, no estado do Oregon, onde gritaram palavras de ordem contra Trump e queimaram a bandeira do país.

Contudo, a selvageria também fez parte do reportório republicano. Num incidente em um bar da cidade de Santa Mônica, na Flórida, um homossexual (foto na galeria) ficou coberto de sangue depois de ser agredido por diversos partidários do bilionário.

Em entrevista ao jornal, Chris Ball, produtor de cinema que testemunhou o episódio no interior do bar, disse que as pessoas começaram a ofender os homossexuais com frases do tipo: “temos um novo presidente! F****-** bichas”.

Também há relatos de carros incendiados e casas de republicanos sendo pichadas em municípios de vários estados.

Ao que parece, uma velha tática usada por estrategistas, que diz ser necessário “dividir para conquistar”, tem surtido efeito nos Estados Unidos.

#Mídia #Curiosidades