Nesse mês, um vídeo mostrando um homem negro sendo barbaramente agredido acabou ganhando repercussão mundial. Acredita-se que toda a sequência tenha ocorrido graças ao preconceito que existe na sociedade, até mesmo em um país cuja maioria é de negros, a África do Sul. A ação foi descoberta por conta de um vídeo de vinte segundos. Ele mostra o homem sendo enfiado em um caixão, enquanto ouve diversos insultos. Nesta sexta-feira, 19, esse episódio teve um novo capítulo. O tal homem, que passou por momentos de terror, acabou sendo identificado. Seu nome é Victor Rethabile Mlotshwa Mlotshwa. Ele aparece morrendo de medo ao ouvir os gritos de um fazendeiro branco.

Publicidade
Publicidade

As divisões raciais na África do Sul são bastante profundas. Mesmo após mais de duas décadas depois que um governo de minoria branca acabou, é constante o racismo enfrentado pelos negros. O medo toma conta das ruas. Um político da região, assim que descobriu o caso, começou a ajudar o homem que passou por momentos torturadores. Ele, que pertence ao partido de oposição EEF, nega que o homem agredido fosse um ladrão, mas que apenas andava pela rua, quando foi parado pelos homens que posteriormente judiariam bastante dele. Ele não estava sozinho. Ao lado dele estava um amigo, que conseguiu ser mais rápido e fugir. Já Victor não teve a mesma sorte e começou a ser torturado ali mesmo.

Demoraram dias para que o caso ganhasse repercussão mundial e que Victor passasse a ser visto como o que é, uma vítima da situação, algo surreal, ao analisarmos a nossa realidade.

Publicidade

Os fazendeiros Willem Oosthuizen e Theo Jackson são os homens que aparecem torturando Victor nas imagens. Brancos, eles agora estão em uma prisão. A detenção, no entanto, segundo a mídia africana, ainda é em caráter preventivo.

E a situação não poderia piorar mais para os agressores. Enquanto eles se defendiam, cerca de quatrocentas pessoas realizavam uma manifestação do lado de fora da cadeia. Eles clamavam pelo ideal, a justiça. Victor participou ainda de um ato político. #Crime #Investigação Criminal