Uma jovens transexual foi assassina após um pedido do seu próprio pai na televisão da Rússia. De acordo com informações do jornal Extra, em matéria publicada nesta terça-feira, 01, a moça sofreu com a homofobia dentro de sua própria casa. A jovem tinha acabado de se casar com um homem, o que revoltou ainda mais seu pai, que é muçulmano e vê esse tipo de relacionamento como um pecado mortal. Ele foi à uma emissora local e fez um pedido bem condenativo: Tragam meu filho aqui e matem-no na minha frente". Obviamente, com tanto ódio diante do próprio herdeiro, a história não acabaria muito bem. 

A jovem morta nasceu como Alam Aliev, mas mudou de nome assim que completou 18 anos, tornando-se Raina.

Publicidade
Publicidade

Ela também mudou de sexo recentemente. Agora a moça estava morando na capital da Rússia, Moscou. O país é conhecido por ser bastante machista. Foi na capital que ela se casou com quem dizia ser o homem de sua vida, Victor. Tudo isso para a fúria de seu pai,  Alimshaikh Aliev. Ele descobriu os planos da agora filha em aumentar a família e quem sabe até fazer uma adoção. Foi então que o pai muçulmano decidiu falar pela primeira vez sobre o caso à televisão russa. Com palavras duras, ele diz que não tem mais filho ou filha: "Podem matá-lo, eu não quero vêlo".

Raina sempre teve uma vida difícil, convivendo com o que lhe era dito como proibido. Nascida no Deguestão, ela tinha ascendência islâmica. Vivendo em uma região que fazia divisa entre a Rússia e a Chechênia, a transexual ouviu o tempo todo coisas horríveis sobre os homossexuais.

Publicidade

A família de Raina, assim que percebeu que ela não se via como homem, começou a desprezá-la. A cirurgia de mudança de sexo acabou sendo vista como o fim de qualquer possibilidade de diálogo entre as partes. 

A polícia agora investiga se o pai teria sido responsável pela morte da filha. Ela foi encontrada esquartejada em uma região devastada e afastada da Rússia. "A gente prefere não acreditar que ele tenha sido capaz para fazer tanto", disse um policial da região.  #Crime #Investigação Criminal