Nesta sexta-feira, 18, um brutal assassinato que aconteceu na Nigéria acabou repercutindo em todo o planeta. Um menino, menor de idade, conhecido por realizar diversos crimes, acabou se metendo em uma grande encrenca, que certamente ele não esquecerá tão cedo. Após roubar a carteira de um homem, ele acabou sendo pego.Os moradores da região, irritados com o comportamento dele, decidiram que aquela seria a última vez que ele realizaria qualquer coisa errada.No entanto, passaram de todos os limites nessa empreitada.

A situação ficou tão ruim que o menino acabou falecendo. Um vídeo com o momento da barbaridade ganhou a internet, provocando a ira de quem ė a favor dos direitos humanos. Até mesmo os mais conservadores alertaram para o que chamaram de passar dos limites.

Publicidade
Publicidade

A situação aconteceu na cidade de Badagri, sendo alarmada graças a um site de grande repercussão local. Antes de ser morto com o fogo no próprio corpo, o menino ainda apanhou muito. Um jornal local diz que ele foi torturado, até não ter nem mais forças para gritar. Populares que realizaram a atitude dizem que ela serviu para que os outros pensem cem vezes ao repetir os atos do comparsa.

Em um vídeo que é muito forte e que teria sido gravado por uma testemunha, o menino aparece sendo agredido barbaramente. Pessoas atiram pedras e outros objetos contra ele. Ele grita por ajuda, mas os transeuntes estão dispostos a matar-lo. O garoto estaria ao lado de outros três bandidos no momento em que roubou a carteira, mas os demais foram mais rápidos e espertos, enquanto ele, acabou padecendo vítima do mal que também provocava, a violência.

Publicidade

Oficiais

A polícia decidiu investigar a atuação dos nigerianos apenas depois que o caso chamou a atenção de todo o mundo. Situações desse dito, infelizmente, são comuns no país, de extrema pobreza. Um dos representantes da polícia local garante que todos os envolvidos já foram identificados e que os seus agentes trabalharão dia e noite para que essas pessoas paguem pelo #Crime que cometeram. #Investigação Criminal