Depois de muitos anos em que sofreu violência doméstica, Maria Florinda sofreu, às portas do restaurante onde trabalhava, no centro da Suíça, vários golpes do marido com uma faca, não resistindo aos ferimentos profundos.

Como informou o jornal “Correio da Manhã”, nem mesmo depois de ter se refugiado em um abrigo para vítimas de violência doméstica, a imigrante portuguesa teve a proteção necessária para conseguir evitar essa enorme tragédia. Quanto ao marido, também português, foi apanhado pelas autoridades locais ainda com a faca do #Crime, cheia de sangue da sua esposa.

Apesar de existir cada vez mais apoios e informação acerca da violência doméstica por todo o mundo, tentando ao máximo diminuir os casos de crimes horrendos que acontecem muitas vezes dentro de casa, a verdade é que, mesmo depois de muitos sinais dados, Maria Florinda, casada com o seu agressor há cerca de trinta anos, não conseguiu que alguém a ajudasse.

Publicidade
Publicidade

Como garante o jornal “Correio da Manhã”, depois de uma discussão no restaurante onde a imigrante portuguesa trabalhava, os dois saíram do estabelecimento e, no meio de uma rua suíça, o português atacou a sua esposa com vários golpes no pescoço e no peito. A mesma publicação garante que várias pessoas tentaram fazer com que ele parasse com o ataque arrepiante, porém essas mesmas testemunhas acabaram sendo feridas pelo autor do crime.

Depois do assassinato, Domingos Santos teria tentado se suicidar, algo que não conseguiu, tendo sido apanhado poucos quilômetros do local do crime, ainda com a faca ensanguentada na sua posse. Nas redes sociais, a grande comunidade imigrante portuguesa que trabalha na Suíça, tal como acontece com milhares de brasileiros, está aterrorizada com os contornos arrepiantes desses assassinato, garantindo que as pessoas mais próximas do casal, principalmente depois dela se ter refugiado em um centro de acolhimento para vítimas de violência doméstica, têm muitas responsabilidades por não terem informado às autoridades sobre a natureza violenta de Domingos Santos.

Publicidade

#Casos de polícia