A lenda possui versões diferentes, que vêm pelo menos dos tempos da Grécia Antiga, mas a ideia-geral é a mesma: premiado (ou amaldiçoado) por deuses, gênios ou feiticeiros com a vida eterna – mas não juventude eterna--, um ser humano, depois de séculos decaindo física e mentalmente, vendo seus entes queridos, inclusive filhos e netos, envelhecendo e morrendo, tornando-se ininteligível para as novas gerações e incapaz, por sua vez, de compreendê-las, não suporta mais viver e busca um jeito de pôr fim à própria existência. Não chega a tanto, mas a história da nigeriana Veronica Uloko possui seus pontos de contato com esse perfil lendário.

A anciã, que supostamente tem 132 anos, década e meia mais do que Emman Morano, a italiana reconhecida pelo Livro Guiness dos Recordes como a pessoa mais velha viva atualmente, disse em entrevista à Voz do Delta do Níger, veículo de comunicação de seu país, que, depois da morte de um de seus filhos em agosto deste ano, aos 73 anos, ela não deseja mais viver, vive chorando e deseja que Deus tome sua vida. “Fico muito feliz por Deus ter me dado uma vida longa, mas, desde que meu filho morreu, tenho pedido a Deus para vir tirar minha vida.

Publicidade
Publicidade

Não posso permanecer viva enquanto meus filhos estão morrendo depois de envelhecer.” , disse a senhora Uloko, que teve sete filho ao longo de sua vida, três deles já falecidos, não pode mais andar e está cega.

Nem tudo são espinhos, entretanto, em sua existência: ela relatou estar muito satisfeita com os projetos de desenvolvimento do estado onde vive, Edo, e afirmou que as transformações em sua comunidade, contadas a ela por aqueles que a cercam, já que ela não enxerga mais, são impressionantes. Ela diz atribuir o sucesso do governador de Edo, Oshiomhole, conterrâneo dela, ao ótimo caráter do povo da cidade em que nasceram, Iyamho, o que, pensa ela, atrai as benções de Deus para os nascidos lá, agraciados com sabedoria e longevidade. Contou ainda que, ao saber que Oshiomhole tinha sido eleito governador ela dançou por dentro, incapaz que é, devido à idade, de caminhar com suas pernas, quanto mais dançar.

Publicidade

#drama #Curiosidade #centenária