Lethebo Rabalago, um pastor sul-africano, está gerando polemica pelo mundo ao se declara #Profeta e usar inseticida para curar fiéis. O #Pastor afirma que esta pulverizando as pessoas para que elas obtenham a #Cura.

Lethebo conta que usa um inseticida para curar as pessoas de varias doenças, como, por exemplo, a sida e o cancro.

Recentemente espirrou o inseticida no rosto de uma mulher que frequentava sua igreja, pois ela estava com uma infecção nos olhos. O pastor afirma que a mulher só foi curada porque ele usou o inseticida de Deus em seu rosto.

Em sua igreja, Assembleia Geral de Monte Sião, localizada em uma província de Limpopo, Lethebo Rabalago afirma ser um profeta e um servo usado por Deus.

Publicidade
Publicidade

Os frequentadores da igreja acreditam e permitem que o pastor aplique o inseticida neles, pois assim estão sendo pulverizados e livres de qualquer mal.

O pastor esta causando revolta em muitas pessoas que não acreditam nele, as pessoas falam que isso é um perigo a saúde. O governo da África do Sul informou que irá investigar o caso e tomar as medidas cabíveis referentes a essas praticas usadas pelo pastor.

Outros pastores na África do Sul estão sendo investigados por praticarem atos suspeitos e causarem riscos para os fiéis. Os casos mais recentes são do pastor que exigia que o fiel comesse carne de cobra e outro que bebesse gasolina para obterem a salvação.

O fabricante do inseticida usado por Lethebo se pronunciou alegando que não é permitido aplicar o produto diretamente nas pessoas, pois causa danos a saúde e afirmou que está a procura do pastor para que ele não continue essa pratica, pois o produto não foi feito para ser usado dessa maneira e os danos à saúde são graves.

Publicidade

Mesmo com os avisos de proibição do uso do produto em pessoas, Lethebo Rabalago continua usando o inseticida.

A Comissão de Direitos da África do Sul emitiu uma nota informando que não aceita a pratica do pastor em usar inseticida nas pessoas. Lethebo também foi acusado de usar diversos rituais religiosos não permitidos pela Comissão de Direitos da África do Sul.