O psicanalista Sigmund Freud (1856-1939) já dizia que o racionalismo humano era subjugado pelos instintos animais. Em resumo, ele morreu acreditando que o homem era capaz de ignorar as avaliações que um determinado comportamento nocivo poderia desencadear, e ainda assim praticá-lo, baseado meramente numa vontade efêmera.

Embora a concepção freudiana de que o homem é basicamente dominado pelos instintos primários (comer, fazer sexo, defecar etc), tenha gerado polêmica na puritana sociedade Vitoriana (1837-1901), um caso filmado na Rússia e divulgado pelo jornal britânico Daily Mirror, de sábado (26), parece corroborar às alegações do mais famoso terapeuta do século 20.

Publicidade
Publicidade

Na ocasião, a polícia de Irkutsk, na Sibéria, foi chamada para ajudar um homem que estava completamente despido, na rua - embora a temperatura estivesse congelando.

Segundo a imprensa, o sujeito estava transando com uma mulher comprometida, na casa dela, quando o parceiro (não se sabe se é namorado ou marido) testemunhou a traição, resultando na expulsão do sujeito, que foi obrigado a fugir completamente nu.

O acontecimento, apesar de engraçado, reflete com precisão a observação de Freud, sobre o fato dos indivíduos se deixarem dominar por prazeres momentâneos, ainda que essa decisão possa colocá-los em situações constrangedoras, como a reportada nesta matéria.

Ao assistir a cômica situação do sujeito, na rua, pelado e fazendo de tudo para cobrir as partes íntimas, é possível notar a intensidade do frio, pela forma como a ‘vítima’ se contorce perante à gravação efetuada pelo celular do policial.

Publicidade

Conforme o Mirror, quando a viatura se aproxima, o russo, cujo o nome não foi informado, implora por socorro e diz que a ‘namorada’ (na verdade é a amante) está com as vestimentas dele. “Ajude-me, por favor! Minha namorada tomou todas as minhas roupas e eu não consigo sentir minhas pernas”, fala.

Ainda que os oficiais tenham ironizado a situação, eles abrem a porta do veículo e oferecem abrigo ao peladão da Sibéria. “Entre e você vai ficar quente”, dizem as autoridades.

No interior do carro, o rapaz resume a cena. Segundo o depoimento, ele estava a fazer sexo com uma garota que vive em um albergue.

Porém, pouco tempo depois, ela iniciou uma estranha reação quando alguém começou a esmurrar a porta. “De repente, ela se tornou assustada, em seguida, alguém começou a bater à porta e [dizer] que era ele", declara o homem.

Até o momento, o nome da mulher, do peladão, e do agressor, não foram revelados.

#Curiosidades #Viral #Internet