Uma igreja familiar foi invadida por oficiais na China, autoridades ordenaram que as pessoas presentes na #Igreja parassem de louvar Jesus Cristo imediatamente.

Durante o culto que era realizado em uma igreja familiar localizada em Pequim na China, aproximadamente trinta policiais invadiram o local e ordenaram que os integrantes encerrassem a celebração e fechassem as portas. Os policiais também avisaram que se as ordens não fossem acatadas todos seriam presos.

Segundo informações de uma organização que defende os direitos humanos e a liberdade religiosa na China, o pastor Xu Yonghai celebrava os cultos em uma igreja que construiu em baixo de sua casa, mas sua igreja não era oficializada pelo governo chinês.

Publicidade
Publicidade

Acredita-se que os vizinhos da igreja fizeram denúncias sobre as celebrações de Xu Yonghai e os oficiais descobriram e invadiram o local para acabar com a igreja familiar.

Os cristãos se reuniram para protestar contra as autoridades chinesas, pois alegam que nos últimos anos suas igrejas estão sendo fechadas, mas os protestos não estão gerando resultados positivos, os cristãos estão sendo presos sem chances de argumentação ou defesa.

Oficiais estão removendo símbolos e ordenando o fechamento das igrejas, alegando que não estão de acordo com os códigos do país, mas as pessoas afirmam que as autoridades estão agindo dessa maneira para evitar o crescimento dos pensamentos religiosos na China.

De acordo com um documento oficial que vazou na mídia, as autoridades decidiram acabar com todas as igrejas pequenas e não oficializadas pelo governo o mais rápido possível.

Publicidade

O foco também é proibir as reuniões de pequenos grupos religiosos e aplicar punições aos cristãos que não obedecerem às novas regras do governo.

O líder da União entre Igrejas na China, o pastor Zhang Mingxuan, afirmou que essa #perseguição aos cristãos vem aumentando com o passar dos anos e a tendência é piorar futuramente.

O governo chinês revisou as regras sobre religião, e determinou que as pregações realizadas pela internet não são mais permitidas na China. Alegando que essas revisões contribuem no combate contra o terrorismo no país. #CRISTÃO