A imprensa internacional destacou, nesta sexta-feira (11), que um robô assassino está sendo desenvolvido com a capacidade de detectar um ser humano a mais de quatro milhas de distância (7 quilômetros) - e matá-lo. O instrumento é um projeto a ser implantado pela Rússia, de acordo com o site do jornal britânico The Mirror

A ideia seria usar o instrumento mortífero de alta precisão nas fronteiras russas. Uma de suas utilidades é detectar drones e outras potenciais armas aéreas que tentarem atravessar a fronteira.

Além de monitorar a localização dos drones, o robô é capaz de levantar informações sobre sua origem, enviando-as para uma base operacional a ele ligada.

Publicidade
Publicidade

O robô chamado de 'Flight' inclui radar, dispositivo para registrar imagens térmicas, cor e câmeras de vídeo em preto e branco.

De acordo com o engenheiro-chefe do projeto, Dmitry Perminov, o robô carrega em sua estrutura uma unidade de radar que detecta alvos humanos a cerca de 7 quilômetros de distância e também carros, a até 10 quilômetros de distância.

"Após a detecção, o alvo é monitorado utilizando um sistema óptico”, diz Perminov.

O interesse comercial pelo protótipo já tem sido grande. Isso porque, segundo o engenheiro, o sistema pode ser aplicado não somente como uma interface militar, mas também para a proteção de qualquer objetos estratégico por empresas.

"O interesse não é só os militares, mas também de indústrias que atuam na área de exploração de petróleo, para coibir roubos.

Publicidade

Na fase de testes do robô, os desenvolvedores inclusive se depararam com um caso real de roubo detectado pelo robô. Na ocasião, ele flagrou o roubo de cabos eléctricos. "Ele filmou um vídeo onde um homem foi visto serrar um fio. Uma equipe foi enviada e ele foi pego em flagrante”.

O dispositivo, que está sendo constantemente atualizado, de acordo com Perminov, ganhou recentemente uma câmera de alta definição instalada para tornar a detecção de aviões não tripulados mais fáceis.

Em breve seus desenvolvedores esperam colocar o aparato no mercado.

#Crime #Casos de polícia