De acordo com informações divulgadas pelo site Daily Mail, do Reino Unido, cientistas foram autorizados, pela primeira vez, a entrar na área que circunda o epicentro do terremoto que atingiu a Ilha Sul da Nova Zelândia, no dia 14 de novembro. E o que os pesquisadores encontraram no local é impressionante: surgiram grandes falhas no terreno, incluindo uma enorme muralha que parece ter nascido do chão, e que ilustra esta matéria.

A parede, medindo cerca de 4,5 metros de altura, foi criada pelo deslocamento do solo em consequência do tremor de magnitude 7,8, que causou muitos estragos na cidade de Kaikoura, localizada a 180 km ao norte de Christchurch.

Publicidade
Publicidade

Segundo o Daily Mail, a primeira equipe de cientistas que fez o reconhecimento da área pertencia à Universidade de Canterbury (UC), e incluiu os professores Jarg Pettinga, Clark Fenton, Anekant Wandres, Alan Bischoff e Andrea Barrier, que já estavam em campo pouco tempo após o #Terremoto.

Posteriormente, uma segunda missão de reconhecimento foi envidada para a área, da qual participaram a Dra. Kate Pedley e o Dr. Narges Khajavi. As fotos da muralha natural foram feitas pela Dra. Pedley, e mostram como a paisagem foi destruída pelo tremor de terra.

Rupturas no solo

Conforme relatou o Daily Mail, Kate Pedley afirmou que ela e seus colegas estavam tentando encontrar falhas no solo causadas pelo terremoto, quando encontraram enormes rupturas ao norte de Kaikoura.

De acordo com Padley, também surgiram falhas ao sul e a oeste da cidade de Waiau (localizada a 83 km de Kaikoura) que não foram tão grandes, mas que causaram estragos consideráveis na infraestrutura localizada na parte nordeste do município.

Publicidade

Sobre esta última área, a cientista declarou: "A quantidade de pedras associadas, deslizamentos e desmoronamentos era incrível".

Ainda segundo o Daily Mail, o Dr. Clark Fenton, que participou da primeira equipe de reconhecimento da região atingida pelo terremoto, afirmou que o grupo do qual era integrante também localizou uma grande e complexa zona de falhas que se estende desde o Rio Masson, localizado a cerca de 6 km a nordeste de Waiau, até Emu Plain, a cerca de 7 km a oeste da mesma cidade.

Veja algumas imagens inéditas das falhas e da destruição causadas pelo terremoto:

#Natureza