Quem registra e vibra com cenas de agressão a uma vítima indefesa, sem fazer nada para impedir, é tão culpado quando quem bate? A questão se apresenta em um vídeo que mostra mais uma cena de #Violência e #bullying em uma escola do País de Gales. Pelas imagens chocantes, filmadas por outros alunos, é possível ver uma adolescente apanhando de outra covardemente, sem reação. Ela é arrastada pelo chão, recebe puxões de cabelo, muitos socos, chutes e uma forte joelhada no rosto.

O momento dramático de linchamento contou com uma plateia animada. Nenhum dos estudantes que testemunharam a cena foi capaz de intervir para que a violência cessasse.

Publicidade
Publicidade

Pelo contrário, a pequena multidão de adolescentes grita encorajando as agressões dizendo “vai logo”, “mate-a”'. Não há adultos por perto.

Tudo acontece em um gramado, que aparentemente parece ser o campo de futebol da escola, que se soube depois ser a Bro Morgannwg Welsh em Barry, no sul do País de Gales, Reino Unido. Depois de receber várias pancadas, a garota de 14 anos finalmente consegue se levantar e vai embora com uma amiga.

Depois que o caso compartilhado milhares de vezes no país ganhou repercussão, duas meninas envolvidas na história foram suspensas da instituição. Hywel Price, o diretor da Escola Bro Morgannwg Welsh, uma escola tida como de elevado conceito no sul do País de Gales, excluiu as agressoras das aulas enquanto uma investigação é realizada.

Em uma declaração aos pais, alunos e comunidade escolar, Price condenou o ataque.

Publicidade

Ele disse que a escola está plenamente consciente do incidente e das filmagens e que vários membros da instituição passaram inúmeras horas reunindo provas de diversas fontes e coletando declarações escritas de vários alunos.

“Duas alunas receberam suspensões e será tomada uma decisão final após a conclusão da investigação em breve. Tenham certeza de que estamos investigando o incidente completamente. Quero assegurar ao público que o assunto está sendo levado muito a sério e que continuamos a trabalhar em estrita colaboração com a escola e as famílias dos interessados”.

#Crime