Holly-Mae Heys tinha somente 17 dias de vida, quando foi encontrada, já sem respiração. Foi o pai da bebê, quem estava tomando conta de ela, que a encontrou no berço, onde a tinha colocado pouco tempo antes. Os paramédicos encontraram um cenário de sujeira, maus cheiros e drogas dentro da casa, e um "berço inseguro". Mas, nem a autópsia deverá permitir qual a real causa de morte que vitimou essa menina inglesa, que era saudável.

Tudo aconteceu durante a manhã, quando o pai pensava que a criança estava dormindo. A mãe de Holly-Mae, Bethany Rowley, de 23 anos, tinha passado a noite no hospital, depois de ter apanhado uma virose no estômago.

Publicidade
Publicidade

Quem ficou toda a noite tomando conta da menina foi o pai, Richard Heys, de 39 anos. E o homem nem teria sentido dificuldades com a filha. De acordo com as informações descritas na imprensa inglesa, o homem tinha dado o biberão para a bebê por volta das 10h30 da noite e depois já de madrugada, pelas quatro horas da manhã. A última vez que tinha pegado na menina foi pelas seis horas da manhã, quando esteve trocando sua fralda e voltou a colocá-la no berço.

Richard contou para a polícia que estava acostumado em cuidar da bebê. A menina só chorava quando tinha cólica ou quando queria um carinho. A última vez que Richard tinha escutado a bebê foi uma hora antes de Bethany chegar. A mãe da bebê mandou uma mensagem para Richard, contando que estava saindo do hospital. Por essa razão, ele nem voltou para a cama e ficou esperando pela companheira.

Publicidade

Assim que ela chegou, Richard ficou enrolando #Cannabis e quando ela perguntou pela bebê, ele subiu no quarto para dar uma espreitada.

Desceu logo, falando que Holly-Mae não estava mais respirando. Chamaram os paramédicos e a menina seguiu para o hospital, por volta das 7h30 da manhã mas já não havia nada mais para fazer. O pai ainda tentou algumas manobras de reanimação, mas a menina já não voltou a vida.

Após os primeiros testes, ficou já afastada a possibilidade de maus tratos. A menina não apresentava qualquer marca ou lesão. Também não tinha qualquer infeção e estava alimentada e de fralda limpa. O que os paramédicos notaram foi o cheiro a erva, sujeira e desarrumação por toda a casa e, o pior de tudo, o berço da menina, que tinha roupas e objetos que são potencialmente perigosos.

A pediatra patologista Gauri Batra que está analisando o caso de Holly-Mae referiu o perigo de a menina ter dormido em um "ambiente de sono inseguro", que poderia ter causado essa morte. O berço de um bebê não deve ter qualquer objeto ou roupa que possa abafar a criança, durante o sono. No entanto, se foi essa a causa da morte, a especialista relembra que isso não deverá se notar na autópsia, que poderia ser inconclusiva. #Bebê #pais