Charlotte McPherson, uma jovem cavaleira de 22 anos, foi levada a tribunal, depois de várias denúncias no #Facebook. A jovem tirou algumas fotos com o seu #Cavalo de corrida, Thor, onde ele aparecia incrivelmente magro. As imagens chocantes, em que o animal aparece com os ossos todos salientes de seu corpo, foram denunciadas por vários defensores de #Animais. A mulher, de Worcestershire, na Inglaterra, vai agora sofrer várias sanções, por não cuidar bem desse cavalo, incluindo a penalização de não poder ter cavalos, durante os próximos dez anos.

Sobre o cavalo Thor, ele foi-lhe retirado e uma inspetora de um grupo de prevenção contra a crueldade animal, revelou, em declarações para o jornal Daily Mail, que ele está bem e já tem uma nova casa, onde está sendo bem tratado.

Publicidade
Publicidade

A notícia caiu muito mal dentro dos grupos de defensores de animais do país, especialmente, porque Charlotte continuava treinando duas vezes por semana e até tinha feito uma prova, recentemente. Apesar de tudo isso ter decorrido em espaço público, ninguém reparou na magreza extrema do animal, ou pelo menos, ninguém denunciou essa tratadora de animais.

Só quando ela publicou algumas imagens no Facebook, é que despoletou a ira de vários defensores de animais, da rede social. Depois de terem encontrado as fotos, eles não pararam de denunciar e compartilhar esse caso, conseguindo que ela fosse chamada na Justiça.

A inspetora da prevenção contra a crueldade animal estranhou que ninguém tenha reparado no animal, durante a prova que ela tinha realizado, mas desculpa o caso, por ela ter usado uma manta, que tapava o corpo do animal.

Publicidade

É que com tamanha magreza, o animal até já tinha uma grave lesão nas costas, fruto do esforço de correr, com Charlotte sobre ele.

No tribunal, ficaram provados os maus tratos e a fome que o animal passava e, por isso, ela não poderá ter cavalos durante os próximos dez anos. Charlotte admitiu duas acusações de crueldade animal e foi sancionada por ter "causado sofrimento desnecessário ao não investigar e tratar a causa de sua má condição corporal" e também por não ter protegido Thor "da dor, do sofrimento, ferimentos e doenças, montando-o nesse estado", concluiu o tribunal.

Ela foi ainda sentenciada com doze meses de trabalho para a comunidade, 160 horas de trabalho não pago e terá ainda que pagar custas, no valor de 360 libras.