Uma tragédia em família abalou o Sul da China. Uma mãe ficou transtornada ao parir e saber que o sexo do seu quinto rebento não era o que ela esperava.

Mãe de quatro meninas, ele apostava que sua quinta gravidez pudesse lhe trazer o tão esperado menino. Não foi o que aconteceu e como reação ela matou as quatro filhas e feriu uma quinta.

Zhou é o sobrenome da assassina confessa, de 31 anos de idade, e que alegou ter sido acometida por depressão pós-parto.

O caso ocorreu em um pequeno povoado. O nome da província chinesa é Cantão, no Sul da China. O #Crime aconteceu na última sexta-feira (9) e foi noticiado pela televisão e demais veículos locais.

Publicidade
Publicidade

As meninas foram golpeadas com uma faca de cozinha. A vítima mais velha tinha apenas 8 anos de idade. A que sobreviveu ficou ferida gravemente, mas não foi revelada a sua idade.

Zhou foi denunciada e presa pelas autoridades locais. Vizinhos que souberam do caso e se depararam com os corpos acionaram a polícia e relataram o que viram.

Já na delegacia, a mãe confessou o crime e disse que aos policiais que resolveu acabar com a vida das filhas em razão da grande frustração de não conseguir dar à luz a um homem. Ela alegou que o parto da última menina aconteceu no mês passado e que não suportava mais o marido maldizer a incapacidade dela em lhe dar um menino. Segundo ela, o pai das meninas rezou por nove anos para ter um garoto.

Segundo a TV que contou a história, a mãe passava a maior parte do tempo sem a presença do companheiro, que trabalhava muito distante de Cantão.

Publicidade

Ela era responsável por cuidar das crianças e também do pai do marido, que é doente.

A depressão pós-parto, em si, pode não justificar o infanticídio múltiplo cometido por mulheres, mas é importante considerar que a doença é uma questão de saúde pública.

De acordo com um trabalho científico produzindo pela Escola Nacional de Saúde Pública, da Fundação Oswaldo Cruz, um quarto das mães apresenta essa enfermidade mental até 18 meses após o parto. O levantamento entrevistou mais de 23 mil mulheres que tinham dado à luz recentemente. #Mundo #Casos de polícia