Essa semana, as cenas de um vídeo em que duas mulheres aparecem brigando fizeram sucesso entre os internautas. As imagens foram divulgadas nas redes sociais e basicamente mostram o momento em que uma mulher traída agride a amante de seu marido. O surpreendente da história é que a mulher procurava pela outra por cerca de quatro anos quando a encontrou nas ruas de uma pequena cidade chinesa não identificada. Imediatamente após ver a jovem, a esposa corre ao seu alcance e a segura pelos cabelos. Nas cenas é possível ver a outra caída no chão enquanto a mulher do indivíduo ainda agarrada aos seus cabelos lhe bate com chineladas enquanto xinga a jovem.

Publicidade
Publicidade

O que se escuta na gravação feita por um celular é mulher gritando que tinha procurado a jovem por quatro anos, e que ainda lembrava da traição. Ela ainda diz à jovem que só iria soltá-la caso ela confessasse ter tido um caso com seu marido. As cenas chegam a ser cômicas e inúmeras testemunhas presenciam o momento, inclusive policiais que do lado da mulher enraivecida tentam convencê-la largar à jovem.

O ato de violência não é reprimido pelos agentes locais que ficam apenas olhando e tentando falar com a mulher para deixar a jovem em paz. Mas ao que parece depois de muito conversarem, os policias conseguiram fazer com a dona traída deixasse a outra ir embora. As duas ainda foram encaminhadas para a delegacia de polícia local para poderem ser autuadas. Ao que tudo indica a agressora acabou sendo multada e a outra foi liberada sem maiores problemas.

Publicidade

Este não foi o primeiro e nem será o último caso em que as mulheres de homens casados tentam punir suas amantes. Na China não há uma legislação específica para punição contra o adultério e muitas mulheres acabam resolvendo com as próprias mãos os seus problemas conjugais. No entanto, o concubinato, quando o homem tem mais de uma mulher, ainda é muito presente na China por razões históricas e culturais. Mas as políticas de planejamento familiar tentam fazer com o casal permaneça estável e com poucos filhos.

#Crime #Investigação Criminal