Um aparelho eletrônico está sendo usado para roubar carros em questão se segundos nos Estados Unidos, sem que seja necessário quebrar nada ou cortar um fio. O alerta foi feito pela Agência Nacional de Crimes contra Seguros (NICB, sigla em inglês de National Insurance Crime Bureau) após receber relatos de casos e fazer testes que comprovam a vulnerabilidade dos veículos, que tiveram os resultados divulgados nesta sexta-feira (7) - veja o vídeo no final do artigo.

Agentes do órgão conseguiram abrir 19 de 35 veículos e dar a partida de 18 em locais diferentes no período de duas semanas. O teste não tem base científica, mas demonstra que o aparelho pode ser usado em veículos de diferentes marcas e modelos, entre eles sedãs, SUVs, minivans e picapes.

Publicidade
Publicidade

Todos têm em comum serem equipados com chave presencial, também conhecida como keyless, que permite abrir as portas e dar a partida sem o uso da chave, basta que esteja no bolso do motorista.

Onde conseguiu

Dos 18 que foram acionados, o sistema antirroubo do veículo funcionou e cortou o funcionamento do motor um tempo depois, mas os técnicos do NICB conseguiram religar 12 veículos e continuar rodando. O dispositivo usado pela agência foi comprado através de um especialista em segurança de uma empresa no exterior.

Os primeiros relatos do uso desse aparelho surgiram há dois anos, quando vídeos feitos por câmeras de segurança mostraram homens destravando as portas de carros para roubar objetos no interior em cidades da Califórnia. As imagens do vídeo mostram dois homens agindo simultaneamente em carros estacionados lado a lado e um terceiro caso em que o ladrão retira uma bicicleta do porta-malas.

Publicidade

Como funciona

Agora o dispositivo está mais avançado e também é usado para dar a partida nos veículos. Ele pode ser usado em veículos com travas elétricas nas portas e partida por botão, itens de série em carros de luxo ou opcionais em outros modelos. O aparelho usado nos testes da NICB é o Relay Attack (“Ataque por Retransmissão”, em tradução livre) e funciona em veículos que as travas elétricas são acionadas por controle remoto.

Esse dispositivo foi criado para as fabricantes de automóveis testarem a segurança de seus veículos, mas nas mãos erradas torna-se uma ferramenta poderosa para ladrões. Nos testes, um dos agentes ficava próximo ao motorista e usava um aparelho para captar o sinal eletrônico do controle remoto. Quando o motorista saía de perto, o aparelho enviava esse sinal para um segundo dispositivo usado por outro técnico para destravar o carro e dar a partida.

Brasil

A Agência Nacional de Crimes contra Seguros dos Estados Unidos não divulgou quais modelos são vulneráveis, mas o jornal Los Angeles Times, citando o diretor de Comunicação do NICB, Roger Morris, disse que entre eles estão o Ford Edge 2015, Volkswagen Jetta 2013 e Toyota Camry 2017, modelos também presentes no mercado brasileiro.

Publicidade

As montadoras não comentaram o caso.

De acordo com a agência, não há no momento nenhuma maneira de combater esta forma de crime. A única alternativa para os proprietários de carros é a prevenção, não deixando objetos de valor dentro do veículo e estacionando em locais fechados sempre que possível.

#Insegurança #Roubo de carro #Tecnologia