O governo alemão afirmou que já trata oficialmente como ataque terrorista o incidente em um mercado de Berlim que deixou 12 mortos e 48 feridos nesta segunda-feira, dia 19. As autoridades já estão investigando um suspeito de ter dirigido o caminhão que avançou sobre a multidão em um mercado de Natal da capital alemã. A informação foi confirmada pela chanceler Angela Merkel horas após o novo atentado na #Europa.

A polícia alemã realizou uma busca em abrigo para refugiados para localizar suspeitos e levantar informações. Até o momento, nenhum grupo terrorista reivindicou a autoria do ataque. Em declaração após o incidente, Angela Merkel agradeceu aos profissionais que ajudaram a socorrer as vítimas, lamentou o ocorrido e afirmou que buscará punição aos responsáveis.

Publicidade
Publicidade

A chanceler deverá visitar o local do acidente hoje ao lado do prefeito de Berlim, Michael Müller, e do ministro do Interior, Thomas de Maizière.

“Com base nas informações que temos, nós acreditamos que este foi um ataque terrorista. Este episódio indescritível será severamente punido de acordo com as nossas leis”, afirmou Merkel, em declaração publicada por agências de notícias globais.

Suspeito

Segundo o ministro do Interior, o principal suspeito de ter manobrado o caminhão em direção aos berlinenses é um refugiado paquistanês cuja identidade ainda não foi revelada. O suspeito teria chegado à Alemanha em dezembro de 2015, se deslocando para Berlim em fevereiro deste ano. De acordo com um jornal local, o suposto terrorista tem 23 anos e está detido e sendo interrogado pelas autoridades.

Publicidade

As autoridades também confirmaram que pelo menos uma das vítimas do atentado foi morta por arma de fogo, o que confirmaria as suspeitas de atentado terrorista. O incidente aconteceu em frente à Igreja Gedächtniskirche, na feira de rua montada em um memorial pela segunda guerra mundial na capital alemã.

Identidade de terrorista pode agravar conflitos políticos locais

Além do trauma por mais um atentado terrorista na Europa, o episódio desta segunda-feira pode agravar ainda mais os conflitos políticos entre Merkel e a oposição alemã. Recentemente, a chanceler foi responsável por admitir a entrada de diversos refugiados de zonas de conflito, como a Síria.

Caso a identidade do autor dos atentados seja confirmada como a de um refugiado, a situação pode ser mais uma munição para os oposicionistas locais que discordam da atitude do governo de aceitar refugiados. O debate têm se intensificado em toda a Europa, enquanto mais e mais pessoas fogem de Aleppo, capital da Síria, devastada pela guerra civil que assola o país.

Publicidade

“Eu sei que seria particularmente difícil de aceitar para todos nós se fosse confirmado que a pessoa que cometeu este crime pediu proteção e abrigo na Alemanha”, afirmou Merkel.

“Isto seria particularmente repulsivo frente aos muitos alemães que se dedicaram dia após dia para ajudar refugiados e frente às muitas pessoas que precisam da nossa proteção e tentam se integrar ao nosso país”, completou a chanceler.

Líder do partido de extrema direita alemã AfD, Marcus Pretzell afirmou que o atentado é responsabilidade de Angela Merkel, intensificando os debates ideológicos sobre imigração e segurança que devem se intensificar nos próximos dias. #Terrorismo #Estado Islâmico