Uma nova informação está emergindo do caso do desaparecimento de Madeleine #McCann, a menina inglesa que está sumida desde 2007. Todos estes anos depois, a investigação não parou e, agora, a polícia inglesa corre atrás de uma pista, que poderia ser decisiva. A polícia inglesa voltou a pedir a colaboração da polícia portuguesa, na investigação da família de um pedófilo inglês, que morreu em 2010. Raymond Hewlett morava a menos de uma hora de caminho da habitação de onde Maddie desapareceu, no Algarve, e existe agora uma carta desse homem para um filho, que poderia ajudar na investigação.

A polícia investigou Raymond Hewlett, no passado.

Publicidade
Publicidade

O homem morreu em 2010, de câncer. Antes disso, ele morava em Portugal, e bem perto da casa de onde Maddie teria, alegadamente sido levada, em maio de 2007, na praia da Luz. Pelo seu passado na pedofilia, o homem foi encarado como suspeito, mas as provas ficaram curtas para fazer alguma ligação a esse homem e a pista caiu facilmente.

Hewlett foi condenado a penas de prisão, por três vezes, por abusos sexuais a crianças, nas décadas de 70 e 80. A pedofilia ficou mais do que provada, mas nunca houve uma ligação com a pequena Maddie. No entanto, um filho desse homem, Wayne, revelou ter recebido uma carta do pai, quando já estava no leito da morte, onde escrevia que a menina tinha sido levada por um gangue da Bélgica, alegadamente, com ligações a pedofilia.

Agora, a polícia pretende estudar os possíveis relacionamentos da família Hewlett, com esse gangue.

Publicidade

Dois filhos de Raymond Hewlett estão vivendo em Portugal, enquanto que a ex-mulher Mariana vive na Alemanha. Os ingleses estão dispostos a seguir essas possibilidades, apesar de não existir nenhuma evidência de que eles poderiam ter algum envolvimento com o desaparecimento da menina, de a nove anos atrás.

A polícia quer seguir essa pista, uma vez que caso a menina tivesse mesmo sido levada por um gangue, com fins de pedofilia, ela poderia estar ainda viva, uma possibilidade que dá um novo alento nessa longa investigação. Mas, para isso, eles precisam novamente de colaborar com a polícia portuguesa. A colaboração terminou quando os detetives portugueses levantaram a suspeito de comportamento criminoso dos pais de Maddie. Para a investigação portuguesa, liderada por Gonçalo Amaral, Kate e Gerry McCann teriam, pelo menos, que sofrer acusações por negligência, de terem deixado a menina de três anos sozinha, com dois irmãos ainda mais novos, enquanto saíram para jantar. #Maddie McCann #Casos de polícia