É comum ver que pessoas quando buscam adotar uma criança, majoritariamente, querem bebês ou simplesmente #crianças bonitas e saudáveis. Mas nem todo mundo pensa assim. Cori Salchert, uma enfermeira aposentada, e seu marido, Mark, transformaram sua residência na “Casa da Esperança”.

Pais de oito filhos biológicos, o casal decidiu adotar crianças que têm poucos dias para viver. São bebês com doenças terminais ou má formações e que estão desenganados pelos médicos. Os pais biológicos das crianças veem de famílias muito pobres e não tem condições de cuidar das crianças, seja por falta de dinheiro para os cuidados especiais, ou falta de estrutura psicológica por saber que as crianças vão morrer.

Publicidade
Publicidade

Cori conta que a maior parte das crianças que adota não vive mais que um mês, mas que proporcionar a elas um pouco de amor e fazê-los sentir que foram amados enquanto estiveram por aqui já é a sua recompensa e mais que isso: sua missão!

Os filhos biológicos de Cori e Mark ajudam a cuidar das crianças que chegam na casa. Apesar da dor de se despedir de bebês com frequência, também existem motivos para Cori e sua família sorrir. O jornal Today informou que atualmente a família está cuidando de um garotinho de dois anos de idade e que se chama Charlie. Ele não viveria muitos dias, mas com o amor recebido em sua nova casa, ele está prosperando e deixando todos muito felizes. Segundo os médicos, ele não chegaria aos seus dois anos, mas ele chegou.

O casal também detém a guarda de trigêmeos de uma família muito pobre que já tem oito filhos e não tem condições de cuidar dos três bebês.

Publicidade

Atualmente as crianças estão com dezoito meses.

O presente de #Natal

Recentemente, Cori usou o Facebook para postar a foto de uma guirlanda, simbolizando o Natal da ‘Casa da Esperança’, como ela mesma gosta de chamar o seu lar. Representantes de instituições de caridade de Chicago e região, decidiram transformar aquela guirlanda solitária em um grande Natal e proporcionaram um final de ano especial para a família e as crianças.

As instituições enviaram dez voluntários para a casa de Cori e fizeram uma decoração alegre e chamativa. Também conseguiram que uma empresa de móveis a região doasse um mobiliário novo para a sala da família, que por sinal, já estava muito desgastada. Um dos representantes das instituições, Lynn, disse que nenhuma criança devia morrer sozinha e que a história de compaixão de Cori e Mark comoveram a ele e a todos.

Pelo Facebook ela agradeceu o apoio recebido e na noite do dia 18 de dezembro, nevou na cidade. Seu amigo, Travis Ford, então tirou uma foto da casa e divulgou na internet.

#É Manchete!