Uma mulher de 30 anos foi morta depois de ter sido vista fazendo compras na província de Sar-e-Pul, no Afeganistão. O marido dela estava no Irã, em trabalho, e ela saiu para comprar alimentos para a casa, possivelmente, desconhecendo o risco que estava correndo. É que essa área está sob o controle do Talibã, o que significa que as #mulheres só podem sair de casa, junto com seus maridos ou parentes homens, mesmo que seja para comprar bens essenciais para a casa e os filhos.

Decapitada por fazer compras

Alegadamente, a mulher foi decapitada por um grupo de homens armados. Eles teriam sabido que ela saiu de casa sozinha, sem a presença do marido, uma ação que consideraram desrespeitosa dos bons costumes.

Publicidade
Publicidade

Por isso, a pena foi praticada pouco depois, cortando a cabeça dessa mulher em público, uma forma que eles sempre acham para deixarem o exemplo para todos os outros.

O marido dela estaria fora do país, e ela teria sentido necessidade de sair para o mercado, uma ação aparentemente normal, mas que não teria sido considerada da mesma forma, no #Afeganistão. Entre o regime do Talibã, ninguém assumiu essa ação, mas a imprensa do médio oriente avançou com essa informação, relatada pelo jornal Daily Mail.

Costumes chocam as pessoas

Nos locais onde o Talibã tem o controle, as mulheres estão passando por um sufoco e todos os cuidados parecem poucos, para evitar estas tragédias. Além de não poderem sair sem a presença do marido, elas também não podem sair a rua sem a burka, tapando seus rostos. Estudar ou trabalhar também não é permitido para as mulheres, condições verdadeiramente chocantes, em pleno século 21.

Publicidade

A notícia de mais uma morte bárbara, voltou a chocar as pessoas, que estão comentando, com repulsa, o caso. "Isso é homicídio, pura e simplesmente", escreveu Dani, de Edimburgo. Victoria, de Derby, considerou que essa mulher tinha uma escolha difícil para tomar: "morrer de fome ou decapitada". Philip, de Notingham, considera que "essas mulheres estão em um lugar escuro e governado pelo mal".

A francesa Tiyi se revelou "verdadeiramente feliz" por ter nascido em um "país onde as mulheres têm o mesmo direito que os homens", comentando ainda que fica "irritada" toda vez que vê "uma mulher vestindo um véu completo, por sua vontade".

E o leitor, o que pensa sobre esse caso chocante? Deixe sua opinião! #Taliban