Uma mulher teria sido decapitada por um grupo de homens armados no Afeganistão depois que ela entrou em uma cidade sem o marido. O ato horrível ocorreu na remota vila de Latti, na província de Sar-e-Pul, que está sob o controle do Talibã.

O porta-voz do Governador Provincial Zabiullah Amani disse à nação que a mulher, de 30 anos de idade, foi alvejada porque ela saiu sozinha, sem o marido, que está no Irã. A imprensa do Oriente Médio informou que a mulher havia ido ao mercado fazer compras.

Sob o regime do Talibã, as mulheres são proibidas de deixar suas casas, a menos que sejam acompanhadas por um parente próximo. Elas também são proibidas de trabalhar ou estudar e são obrigadas a usar a burca.

Publicidade
Publicidade

Os talibãs rejeitaram qualquer envolvimento neste último incidente.

No início deste mês, cinco mulheres afegãs, que trabalhavam no aeroporto de Kandahar, no sul do país, foram mortas por pistoleiros desconhecidos quando estavam a caminho do trabalho, este foi o último de uma série de ataques contra mulheres no Afeganistão.

De ataques de bomba a assassinatos de #Terrorismo ou de honra ou abusos domésticos, as mulheres afegãs têm suportado o peso dos 15 anos de conflito durante a insurgência liderada pelo Talibã, enquanto a segurança se deteriorou e a violência aumentou na maior parte do país.

Samim Khpulwak, porta-voz do governador de Kandahar, disse que as cinco mulheres estavam encarregadas de procurar viajantes do aeroporto de Kandahar e tinham sido contratadas por uma empresa de segurança privada.

Publicidade

"Dois pistoleiros em moto seguiram sua van e abriram fogo contra elas, matando as cinco e seu motorista esta manhã", disse Samim.

Embora as mulheres afegãs tivessem obtido ganhos de direitos duradouros na educação e no trabalho desde o colapso do austero regime talibã em 2001, há receios crescentes de que estes possam reverter com a deterioração da segurança e o aumento da violência. Apesar dos anos de pressão por grupos de mulheres e doadores estrangeiros, o Afeganistão continua a ser um dos lugares mais difíceis de ser mulher.

A restauração dos direitos fundamentais das mulheres foi um dos principais objetivos da comunidade internacional no Afeganistão, onde o islamista talibã proibiu as garotas de irem a escola e as mulheres de trabalhar no seu governo entre 1996 e 2001. #Talibã #Mundo