Dezesseis pessoas morreram durante as festas de Natal nos principais estados do #México, e seis cabeças humanas foram encontradas em um local, segundo autoridades policiais.

Um grupo matou sete pessoas - incluindo três policiais - em uma celebração familiar no violento estado de Guerrero, no sul do país, informou a polícia à agência de notícias AFP.

O massacre ocorreu no início do Natal, fora de uma casa na aldeia de Puente del Rey, onde os pistoleiros mataram a tiros os seis homens e uma mulher, com idades entre 24 e 54 anos.

Os mortos eram três irmãos, seu pai, seu tio, e um homem e uma mulher que tinham sido convidados para as celebrações na residência.

Publicidade
Publicidade

Três das vítimas eram agentes da polícia, segundo informou um funcionário do Ministério de Segurança Regional.

Em Chihuahua - que faz fronteira com os Estados Unidos e como Guerrero - houve brutal violência relacionada ao tráfico de drogas. Nove pessoas foram mortas durante as celebrações do Natal, disseram as autoridades.

Cinco delas morreram em Ciudad Juarez, incluindo três mulheres, que foram torturadas antes de serem mortas, e um homem, cujos restos mortais foram desmembrados.

No estado de Michoacán, no oeste do México, seis cabeças humanas foram encontradas, de acordo com a promotoria local.

As autoridades não identificaram os restos mortais, que foram transferidos para um escritório forense para análise.

As cabeças foram encontradas perto da fronteira com Jalisco, onde opera o poderoso cartel Jalisco Nueva Generacion.

Publicidade

Essa gangue é conhecida por manter confrontos com criminosos rivais no estado vizinho de Michoacán, onde o cartel de drogas dos Templários já dominou.

Os cartéis estão enterrando suas vítimas em covas escondidas em todo o país há anos, e as autoridades encontram regularmente restos humanos.

Guerrero recentemente ganhou a infâmia internacional por ser uma região onde 43 estudantes desapareceram, em 2014. Presume-se que eles teriam sido assassinados, nas mãos da polícia corrupta que trabalha para criminosos.

O governo diz que, desde 2006, mais de 170 mil pessoas foram mortas e mais de 28 mil estão desaparecidas. Os dados não indicam quais casos estão relacionados com a criminalidade organizada. #Casos de polícia #Mundo