Um caso assustador aconteceu na fronteira entre #síria e #Israel, na região de Golã. Os residentes da região afirmam ter visto uma nuvem que não provém de fator climático. Segundo relatos, o fenômeno era similar a um tempo de chuva mas também parecia com uma imensa tempestade de areia. A assustadora nuvem que flutuava próxima ao solo causou pânico entre os nativos, estes que formularam diversos boatos acerca do ocorrido. Supostamente o episódio era um sinal divino. O fato ainda não foi solucionado cientificamente.

Desde a Guerra Dos Seis Dias, em 1967, a área das Colinas de Golã foi tomada por Israel e a partir de então tem sido disputada com a Síria.

Publicidade
Publicidade

Um mês antes deste fenômeno, a Organização das Nações Unidas requisitou que Israel entregasse a região disputada solicitante a ajuda de outros países para que realizasse o mais depressa possível para acabar com o conflito.

O caso vem repercutindo e causando alvoroço nas redes sociais. O vídeo que retrata o inexplicável acontecimento já ultrapassa os 4 milhões de visualizações e ainda supera a marca de 150 mil compartilhamentos. Muitos dos comentários postados nas redes sociais acerca do vídeo sugerem que o acontecimento é um sinal de Deus. O boato que mais se espalhou pela internet e na região é de que a nuvem seria um lembrete de Deus aos inimigos de Israel para que se recordassem das promessas do Senhor nas escrituras bíblicas. No entanto, muitas pessoas, ao verem o vídeo, acreditam que seja somente mais uma das farsas que circulam na internet.

Publicidade

Não existe nota de quem foi o autor do vídeo ou mesmo se é um ato de falsificação. Ainda assim, é possível constatar que foi feito na fronteira entre Israel e Síria, onde estão alojados diversos soldados serventes a força militar. É perceptível também que a nuvem não transpassa a divisa entre os países e curiosamente forma uma espécie de bloqueio entre eles. O fato fortificou ainda mais o boato religioso dos nativos que creem que o episódio seria um lembrete de Deus aos opositores de Israel. #conflitos