Há muitos cultos religiosos em todo o mundo. Alguns deles, para nós ocidentais, podem parecer bem estranhos ou curiosos. Parte deles, de tão diferentes, viram notícia em todo o mundo. É o caso de um culto evangélico que está sendo realizado todas as semanas em Gana, na África. O caso ganhou repercussão aqui no Brasil graças à uma reportagem produzida pela RedeTV! e publicada nesta terça-feira, 6. Um pastor identificado como Daniel Obinim aparece em imagens dizendo que é capaz de acabar com a impotência dos homens de sua igreja. Não para por aí. Daniel revela ter o poder do milagre peniano, aumentando o órgão genital apenas tocando nele.

Os homens de sua Congregação se animaram com a ideia e hoje os cultos vivem cheios.

Publicidade
Publicidade

O momento mais esperado da celebração religiosa é quando o pastor massageia os pênis de seus fiéis. A situação ganhou repercussão graças a um canal de televisão local. Nas imagens da TV, ele aparece em um sala cheia de homens, que chegam a colocar a parte frontal do corpo para frente. Em alguns fiéis, o trabalho miraculoso parece mais difícil. Talvez, por isso, o religioso fica mais tempo com esses homens. Já em outros, ao invés de permanecer mais tempo com o órgão genital em suas mãos, Daniel dá chacoalhadas.

"Se você não gosta de alguma parto do seu corpo, venha até mim. O que você quer que eu não posso oferecer?", diz o religioso. O religioso diz que não é só o pênis que ele tem a capacidade de aumentar. Para as mulheres, ele oferece dar um aperto em suas nádegas ou seios. Em seguida, ele diz que seus poderes vem do reino espiritual, que Deus o deixava fazer tal coisa com sua Congregação.

Publicidade

"Se você tem uma 'masculinidade' pequena, eu posso mudar isso tudo quando você vier para o reino espiritual", disse o religioso.

As imagens do pastor repercutiram em todo o mundo. Nas redes sociais, há quem critique o trabalho do religioso. Alguns dizem que ele está se aproveitando da igreja e do nome de Deus. Já outros creem que #Religião, assim como futebol e política (seguindo o ditado), não se discute. #É Manchete!