James Linton é um pastor anglicano, que reside no estado da Califórnia. Tinha o costume de fazer orações em frente à clínica de aborto da Planned Parenthood (PP), que é uma das clínicas patrocinadas pelo governo de Obama, já que nos Estados Unidos da América o aborto é permitido. No dia 7 de outubro, ele resolveu ficar em frente à clínica oferecendo aconselhamento às mulheres grávidas, e após pedia permissão para orar por elas.

A atitude do pastor irritou os donos da clínica, já que diversas mulheres desistiram de executar o procedimento. Resolveram, então, chamar a polícia e James foi conduzido a delegacia para prestar esclarecimentos a respeito da acusação de invasão de propriedade privada.

Publicidade
Publicidade

Os advogados do senhor Linton afirmam que ele estava na calçada, ou seja, em área pública. “A prisão do pastor Linton é uma escandalosa violação dos seus direitos”, completa Allison Aranda, que por sinal é uma advogada que luta contra o aborto. Para seus advogados, James estava apenas praticando seu direito de livre expressão, assegurado pela Constituição.

Se for condenado, o pastor terá que pagar uma multa de aproximadamente US $ 400,00 - R$1600,00 segundo a cotação atual - e pode ter que passar até 90 dias na cadeia.

Ele decidiu tomar essa atitude de ficar na calçada conversando com mulheres que iriam abortar, após ver uma série de vídeos secretos no qual mostrava a clínica negociando os fetos com a indústria farmacêutica. Na época, sua esposa estava grávida. “Eu descobri que aconselhamento em lugares púbicos é um dos aspectos mais importantes do discipulado cristão na minha vida”, completou James.

Publicidade

Esta clínica é responsável por realizar abortos em gestantes com até 20 semanas de gravidez. Após o fato ocorrido, a clínica resolveu construir muros do lado de fora, para que a circulação de pessoas não autorizadas fosse evitada.

São rezados cerca de 55 milhões de abortos todos os anos, dos quais a maioria é realizado nos países em desenvolvimento (78%, sendo os outros 22% nos países desenvolvidos). #Legislação #Religião #Saúde