O mundo se torna a cada dia mais perigoso. Nesta terça-feira (20), um dia depois do "acidente" com um caminhão em Berlim, que deixou 12 mortos e 48 pessoas feridas, a primeira-ministra da #Alemanha Angela Merkel confirma as suspeitas de que o ato foi um atentado terrorista.

As suspeitas surgiram imediatamente após o acontecimento, pela similaridade com o atentado ocorrido em Nice, no sul da França, no dia 14 de julho, quando o país comemorava uma de suas mais importantes datas nacionais, a Queda da Bastilha.

Em Berlim, o caminhão invadiu propositalmente um dos tradicionais mercados de Natal da cidade, localizado em Breitcheidplatz, percorrendo cerca de 50 metros entre os quiosques da feira no começo da noite de segunda-feira (19).

Publicidade
Publicidade

Nesta época que antecede o Natal, os mercados atraem muitos turistas e moradores da cidade. Após colidir com uma grande árvore de Natal, o motorista fugiu. Um suspeito foi preso a cerca de um quilômetro dali. Navid B., é paquistanês, tem 23 anos de idade e teve algumas passagens pela polícia por pequenos delitos. O veículo estava carregado com vigas de aço, provavelmente para aumentar o peso e assim causar maiores danos. Havia um segundo ocupante no caminhão, que segundo as autoridades locais era polonês e foi encontrado morto. Há inclusive a suspeita de que o caminhão teria sido roubado pelo condutor e que o passageiro morto seria o verdadeiro motorista do veículo, que deveria ter feito uma entrega de mercadoria à tarde, o que não aconteceu. Interrogado, Navid nega o crime. O comandante da polícia não confirma se o suspeito preso é o verdadeiro autor do atentado e pede que a população se mantenha em alerta.

Publicidade

Criticada pela comunidade europeia por seu apoio aos refugiados, Angela Merkel foi obrigada a reconhecer também, que o autor do atentado pode ser alguém que tenha pedido asilo naquele país: "Com os dados que temos, disse a primeira-ministra, precisamos partir do princípio de que se trata de um ato terrorista". Compreensivelmente ressentida, Angela Merkel declarou ser "especialmente difícil suportar", caso se confirme a suspeita de que o suposto terrorista seria alguém que buscou "proteção e asilo".

Através do Twitter, a polícia alemã informou que as investigações estão sendo feitas com "o cuidado necessário", porém com rapidez.

Na mesma fatídica segunda-feira, Andrei Karlov, que era embaixador da Rússia na Turquia, foi morto a tiros por um policial turco, enquanto discursava em uma galeria de arte em Ancara. Também em Zurique, na Suíça, três pessoas ficaram feridas em um tiroteio, em local frequentado por muçulmanos. Até quando? #Terrorismo #Europa