O policial militar, Sergio Gomes Moreira Filho, de uma das Unidades de Polícia Pacificadora do Rio de Janeiro e a viúva do #Embaixador grego Kyriacos Amiridis são os principais suspeitos do assassinato que chocou o país. Os dois teriam um relacionamento extraconjugal. O policial confessou sua participação no crime. A esposa do embaixador, Françoise Amiridis, que é brasileira, confessou o relacionamento amoroso com o policial Sergio Gomes. Segundo a polícia, o embaixador foi morto no apartamento onde tinha residência, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Imagens das câmeras de segurança do prédio, mostram o policial retirando o corpo do embaixador.

Publicidade
Publicidade

Além das imagens do circuito interno de câmeras, a polícia encontrou manchas de sangue no sofá, que podem ser do embaixador.

Para a polícia, não resta dúvidas de que a esposa Françoise Amiridis, planejou a #Crime com a ajuda do amante. Além da viúva e do policial militar, uma terceira pessoa teria participado do homicídio, um primo do policial, que aparece nas imagens do circuito interno de câmeras.

Os familiares declararam que o embaixador #assassinado era uma excelente pessoa, com um coração maravilho e que não sabem o que motivou o crime. O policial foi encaminhado para uma unidade prisional da PM.

O embaixador Kyriacos, a esposa Françoise e uma filha de dez anos do casal, moravam em Brasília e estavam no Rio de Janeiro para as festas de fim de ano. O casal estava junto há quinze anos.

Publicidade

Segundo o primo do policial, que teria ajudado a retirar o corpo do prédio, a viúva teria encomendado o crime por R$ 80.000,00 (oitenta mil reais), valor que seria pago, trinta dias após o assassinato.

A motivação do crime pode ter sido passional

A viúva declarou a polícia que sofria agressões por parte do marido. O policial militar Sergio Gomes, disse que foi até o apartamento e entrou em luta corporal com o embaixador. O corpo foi colocado em um carro alugado pelo diplomata, depois incendiado. O assassinato teve repercussão na imprensa internacional, tendo sido destaque no principal jornal da Grécia. A polícia já pediu a prisão temporária dos suspeitos.