De acordo com agência turca, Rússia e Turquia devem fechar um acordo de cessar-fogo que entrará em vigor à meia-noite da quinta-feira (29). Medida prepara terreno para novas negociações de #paz entre regime sírio e oposição. O objetivo do acordo é estender o cessar-fogo por todo o país da Síria e excluir os grupos terroristas. O acordo está sujeito à aprovação.

No dia 20 de dezembro, houve uma reunião entre os russos, iranianos e turcos. Eles discutiram a importância de estender o regime de cessar-fogo por todo o país da Síria e revelaram uma vontade de mediar um acordo com Damasco e oposição.

Segundo agência Anadolu, caso o acordo seja considerado, o governo sírio e os grupos de oposição organizarão negociações de paz na capital Cazaque, em Astana, sendo mediadas pela Rússia e Turquia.

Publicidade
Publicidade

Damasco e Moscou entendem como terroristas aqueles grupos contrários ao governo do presidente Bashar al-Assad. Porém, para o pessoal de Ancara, terroristas são a turma do Estado Islâmico (EI) e os curdas.

Síria, Turquia e Rússia manifestam posições contrárias desde o início da #Guerra na Síria, que começou em março de 2011, e recebeu o nome de “Primavera Árabe”. Moscou sempre apoiou o regime de Bashar al-Assad, enquanto Ancara pedia a saída do presidente sírio.

Agora, nos últimos meses, a Turquia mudou seu posicionamento e passou a cooperar com Moscou e Damasco para pôr fim de vez, na guerra civil da Síria. O futuro de Bashar al-Assad ainda é uma incógnita caso aconteça uma transição de governo na Síria.

A posição dos EUA sempre foi apoiar os rebeldes moderados e curdos na Síria. Também lideram a coalização internacional que bombardeia alvos do Estado Islâmico que tem por objetivo defender o fim do regime do presidente Bashar al-Assad.

Publicidade

Já a Rússia é aliada do governo sírio.

Os conflitos na Síria têm crescido desde que o acordo de paz ruíram, e o governo sírio e a oposição começaram a fazer acusações mútuas. O local que mais sentiu foi a cidade de #Aleppo, pois, cortaram suprimentos, energia e água, para em torno de 2 milhões de pessoas, que moravam em áreas próximas do pró-governo e aos rebeldes.

Diariamente o regime sírio e seus aliados russos lançam bombas através de aviões por toda a cidade de Aleppo. Eles são acusados pela Defesa Civil da Síria por lançarem bombas-barril contendo gás cloro. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, disse que é uma “catástrofe humanitária” o que vem acontecendo com a cidade de Aleppo.