Um jovem foi brutalmente assassinado na última quinta-feira (08), na cidade de Maskana, na zona leste de Aleppo, sendo jogado de cima de um prédio. A vítima foi acusada pelo grupo terrorista do #Estado Islâmico (ISIS) de ser homossexual. Segundo os terroristas, todos aqueles que violam a lei de Sharia são condenados à morte.

De acordo com o portal de notícias iraquiano “Ara News”, a vítima foi jogada de cima de um edifício na frente de uma grande multidão. Logo após a vítima ser jogada do prédio, os terroristas ainda o apedrejaram.

Segundo a mídia local, o Tribunal de Sharia ordenou que os militantes do grupo terrorista ISIS executassem todos os homossexuais jogando-os de cima de um edifício. O nome do jovem morto não foi revelado pelos militantes do ISIS.

Publicidade
Publicidade

Segundo o portal Ara News, nos últimos três anos, vários homens homossexuais foram brutalmente executados de várias formas, como tiros, decapitação ou apedrejamento nas áreas controladas pelo grupo extremista.

O grupo também é famoso por divulgar em mídias sociais as suas execuções. Segundo eles, serve como um alerta para seus rivais. Neste ano, o grupo ISIS lançou um vídeo 'top 10' das execuções mais horrendas praticadas pelo grupo. Em um desses vídeos, centenas de prisioneiros são mortos em um abatedouro desativado na cidade de Mosul. As vítimas eram todas penduradas em ganchos, de cabeça para baixo e logo após, tinham suas cabeças decapitadas.

Militantes do Estado Islâmico vêm realizando atrocidades brutais contra civis, punindo as pessoas por acusações infundadas apenas para mostrar o seu poder sobre civis pacíficos desarmados”, relata um ativista dos direitos humanos, Muzaffar al-Berro para o portal Ara News.

Publicidade

Segundo o portal “Daily Mail”, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, relatou que a missão é expulsar o grupo terrorista das cidades que estão em seu domínio.

“Isso é certamente possível e vai ser uma luta dura”, relatou Carter. Cerca de 100 mil tropas do governo iraquiano, junto com as forças de segurança curdas e milicianos xiitas estão recebendo apoio aéreo por um grupo de militares liderado pelos Estados Unidos. #Terrorismo #Crime