A #União Europeia propôs na manhã desta quinta feira (8) uma medida que permitirá que os países ricos integrantes do bloco possam iniciar deportações de #Refugiados e emigrantes para a Grécia, a partir de março de 2017.

A decisão foi dada pela Comissão Europeia, o braço executivo do bloco econômico, após um período de suspensão de cinco anos devido às más condições encontradas no pais mediterrâneo.

Segundo a organização, em 2011 o governo ateniense não conseguiria manter o grande número de refugiados que entravam no país, mas que na atual conjuntura houve uma parcial melhora nas condições de abrigo, que permite que os países mais ricos da UE não precisem acatar o fluxo de entrada vindos da nação grega.

Publicidade
Publicidade

"A Grécia fez progressos significativos em condições muito urgentes. É muito difícil pôr em prática um sistema de asilo em pleno funcionamento ao longo dos últimos meses, por isso devemos louvar a Grécia", disse o Comissário de Migração Europeu, Dimitris Avramopoulos.

Regras

As regras da medida não se infligirão sobre pessoas que já se mudaram da Grécia, além de menores não acompanhados e pessoas em situação de vulnerabilidade ​​serão excluídos das transferências.

O sistema de retorno só se aplicará a que se deslocar para outros países após 15 de março de 2017, e a Grécia deverá fornecer garantias para que cada indivíduo receba o tratamento adequado, caso seja transferido.

Segundo Avramopoulos, mesmo com esse novo sistema, apenas um número pequeno de pessoas estará sujeito a transferência em um futuro próximo.

Publicidade

Segundo as regras de asilo para conter a crise migratória, o país de chegada deve processar os pedidos de asilo, além de buscar a deportação de requerentes que viajem para outros países do bloco.

Grécia e Itália são os principais países de chegada de refugiados vindos de territórios em guerra ou situação de fome extrema.

Acredita-se que a Europa tenha recebido mais de um milhão de pessoas, sendo 300 mil somente em 2016, e vive desde o começo da década com intensos debates sobre como lidar com a crise. #Mundo