Por muitas vezes é possível encontrar imagens de Santos chorando, aparições em fotos ou vídeos. Esses tipos de imagens se tornam viral, e logo recebem vários tipos de opiniões. Uns acham que é um #milagre, outros pensam existir uma explicação para tal fato entendido como sobrenatural. Dessa vez, um vídeo mostra que durante uma procissão a cabeça da estátua de #jesus Cristo se move. O vídeo levou algumas pessoas acreditarem que era um sinal de Deus. Mas outras alegaram que o vídeo era falso e que havia um movimento de um pano puxando a cabeça para trás.

Algumas pessoas se mostraram bastante impressionadas com o vídeo, outras se mostraram descrentes e procuraram uma forma de desmascarar o movimento feito pela estátua, alegando ser uma farsa.

Publicidade
Publicidade

Um dos usuários escreveu: "Falso! No momento em que ele move a cabeça, você pode ver a túnica se movendo, como se tivesse sendo puxada para!". Ainda não se sabe onde foi feita essa procissão. O responsável por compartilhar o vídeo Youtube se chama Erick García. O vídeo já foi assistido por mais de 1 milhão de pessoas.

VEJA O VÍDEO

Recentemente, outro vídeo também foi registrado em uma igreja de Coahuila de Zaragoza, no México. Enquanto os fiéis participavam da missa, durante uns instantes, foi possível ver a estátua abrir e fechar os olhos. Enquanto uns também acreditavam que seria um milagre, outros diziam que era apenas ilusão de óptica ou que o vídeo foi adulterado.

VÍDEO

De acordo com o site Elancasti, o vídeo foi rodado em junho do ano passado, mas se tornou viral essa semana e chamou a atenção do portal que investiga casos incomuns e sobrenaturais.

Publicidade

Um dos donos do site, e especialista em casos sobrenaturais, Ivan Escamilla, disse que não há nada "incomum" nas filmagens. Segundo Ivan, 20 especialistas paranormais, sacerdotes, escultores, editores de efeitos especiais, designers, passaram uma semana analisando o vídeo.

Eles disseram que o vídeo era real, e que não encontraram nenhuma prova de que tenha sido adulterado. Os responsáveis pela diocese de Saltillo recusaram-se a ver as imagens.