Uma mulher de 18 anos de idade, do Colorado, foi identificada ontem (16) como a vítima americana solitária de um #atirador que matou cinco pessoas em uma casa noturna no balneário mexicano de Playa Del Carmen.

Alejandra Villanueva Ibarra, de Denver, foi pisoteada até a morte, enquanto tentava fugir do atirador, onde um pandemônio irrompeu na segunda-feira 16, durante um tiroteio no festival de música eletrônica BPM, segundo informou o jornal The Daily Mail.

O irmão da vítima, Aaron Martinez, conversou com a reportagem e falou sobre a perda de Alejandra. "Ainda estamos tentando entender o que aconteceu e que isso é verdade", disse ele ao jornal.

Publicidade
Publicidade

"Ontem de manhã falamos - ela estava falando sobre como ela estava se divertindo tanto e mal podia esperar para voltar para casa e nos contar tudo sobre suas férias", acrescentou.

Martinez disse que não foi recebeu muitas informações sobre o que realmente aconteceu, por parte das autoridades locais. "Tudo o que eles disseram é que o tiroteio fez com que todos começassem a correr e não sabíamos muito sobre como ou porque começou, mas tinha algo a ver com o cartel lá em baixo", disse ele.

Martinez falou um pouco sobre a personalidade da irmã, que adorava fazer trabalhos em pintura. "Ela trabalhava e estava indo para a faculdade. Ela queria ser professora para pessoas com necessidades especiais ", contou. "Ela se tornou gerente de seu trabalho no mês passado e sempre cuidou da minha mãe que esteve doente há dois anos."

Martinez, que montou uma página GoFundMe após a morte de Ibarra, disse que a família esperava arrecadar dinheiro suficiente para trazer seu corpo de volta do #México por um serviço de funeral.

Publicidade

"Estamos tentando descobrir como ou quanto nos custará trazer minha irmã de volta aqui, então o dinheiro é praticamente para cobrir os custos dos serviços funerários e do espaço onde vamos enterrá-la", contou o irmão da vítima ao Daily Mail.

Um homem de Houston que foi baleado nos braços ao tentar fugir, estava com Ibarra durante os momentos finais de sua vida.

"Eu estava em choque e simplesmente não podia me mover", disse Ignacio Valencia à agência ABC News.

"Suas últimas palavras para mim foram: 'Eu não sinto nada. Não sinto nada'".

Em uma homenagem a Ibarra, Valência incentivou as pessoas a doar dinheiro e ajudar sua família.

"Ela era uma pessoa cheia de vida, extrovertida, humilde e tinha um promissor futuro brilhante a sua frente. Ela era a única provedora da família e estava frequentando a faculdade para ser uma professora ", disse ele.

"Infelizmente, ela faleceu ao meu lado durante o tiroteio. Meu coração está partido em pedaços. Eu nunca poderia imaginar que isso seria como nos separaríamos ", acrescentou.

Publicidade

Outras vítimas

O procurador-geral do estado de Quintana Roo, Miguel Angel Pech, disse que o tiroteio começou quando os seguranças tentaram impedir um homem de entrar no clube com uma arma. Doze pessoas ficaram feridas enquanto tentavam fugir.

Segundo informações das autoridades locais, as outras quatro vítimas fatais integravam parte da equipe de segurança do Festival BPM, sendo dois canadenses, um italiano e um colombiano.

Uma página do GoFundMe para Wilson arrecadou mais de US $ 30.000 em apenas algumas horas para seus custos de funeral. #Boate