Essa semana, uma adolescente, de 19 anos, resolveu divulgar sua história como forma de conscientização sobre a anorexia, uma desordem muito comum principalmente entre as meninas jovens. Sophie Braithwait passou por um processo de recuperação e desde o ano passado se sente melhor e já ganhou o peso perdido desde 2013. A adolescente, de Sheffiled uma cidade inglesa do condado de South Yorkshire, chegou a pesar apenas 37,5kg enquanto sofria da doença. Em sua restrição alimentar ela contava calorias, tinha medidores de porções e foi piorando progressivamente até que passou a comer apenas uma maçã por dia. Além da dieta extremamente hipocalórica ela ainda fazia duas horas de atividade aeróbica, durante sete dias por semana, para perder ainda mais calorias.

Publicidade
Publicidade

Sophia dizia às pessoas que o seu desejo maior seria o de ficar parecida com a cantora e atriz britânica Cheryl Cole da qual era fã. Foi por isso que aos poucos a adolescente começou a reduzir drasticamente a alimentação. Ela chegou a ponto de levar em sua bolsa algumas escalas que usava quando jantava fora, por exemplo, com elas a menina sabia exatamente a quantidade de comida que supostamente podia comer. Diante da situação a mãe da adolescente, June, resolveu procurar ajuda para a filha, mas apesar de todas as pessoas a sua volta dizerem que ela estava excessivamente magra, ela simplesmente não conseguia aceitar.

Paradoxalmente, na mesma época em que Sophie tentava emagrecer para ficar parecida com seu ídolo, a atriz, apresentadora e dançarina Cheryl também foi indicada pela mídia como tendo problemas de desordem alimentar.

Publicidade

Na época a atriz negou que sofresse de anorexia e relatou que estava bastante saudável. Essas notícias e a repercussão que trouxeram fizeram com que a adolescente somente piorasse em sua alimentação deficiente. Uma vez que a sua musa inspiradora não estava doente, ela também não estaria. Foi uma verdadeira batalha travada para família conseguir fazer com que a jovem entendesse que precisava de ajuda. Para isso ela foi encaminhada para um centro em Yorkshire que trata de desordens alimentares, South Yorkshire Eating Disorders Association (SYEDA), onde era atendida por psicólogos e nutricionistas. Ainda assim a menina continuava resistente, foi quanto no final de 2015 a adolescente passou muito mal, ficou grave, e entendeu que precisava de tratamento. Já recuperada, em 2016 ela postou fotos nas redes sociais para ajudar da conscientização de outras meninas. Hoje Sophie se diz feliz com o seu corpo mesmo não estando tão magra como antes.

#Saúde