Uma proeminente corporação ateísta está requisitando ao presidente eleito Donald #Trump que mantenha Deus fora do ritual inaugural de sua posse, que acontecerá no mês de janeiro, tirando a Bíblia, oração e a citação "assim me ajude Deus" do juramento da cerimônia.

A Fundação Freedom From Religion Foundation (FFRF), com sede em Wisconsin, recentemente endereçou uma carta ao presidente eleito para que ele modifique seus planejamentos para a abertura de seu mandato como presidente. Afirmaram que a Constituição é laica e que não engloba em nenhum sentido fazer juras a um deus ou posicionar a mão em cima de uma Bíblia.

A Constituição proíbe em vez de mandatos religiosos, sejam feitos juramentos, afirmou o grupo.

Publicidade
Publicidade

E que em sua forma religiosa alterada, o juramento tornou-se um símbolo do desprezo que muitos da nação têm demonstrado pelos princípios constitucionais seculares. Ao pronunciar o juramento presidencial na sua forma original, seria um importante passo simbólico para a separação da política americana da #Religião.

FFRF também pediu para Trump cortar a parte de oração do evento, pois, segundo a organização, Trump não foi eleito como pastor, mas sim como presidente de todo o povo.

Foi solicitado também que Trump não pronuncie seu juramento com as mãos sobre a Bíblia, mas sim sobre a Constituição. Até o presente momento, não se sabe se o presidente planeja ou não replicar as solicitações feitas pelos ateus. A FFRF fez um pedido semelhante em 2012 para a segunda cerimônia de posse de Barack Obama, mas foi desconsiderado.

Publicidade

Em seu primeiro discurso inaugural em 1789, o primeiro presidente da nação, George Washington, anunciou que seria peculiarmente impróprio suprimir no primeiro ato publico seus clamores fervorosos a Deus, que é o o Salvador que governa nas assembleias dos Estados e nações e cujos amparos podem complementar toda falha humana, e que a sua proteção possa abençoar a independência e a alegria do povo norte americano. George Washington também disse que um governo estabelecido por si próprio, sem o concedimento de Deus, não será não frutificado como um com a sua benção. #2017