Durante a corrida presidencial de 2016 vários atores fizeram uma campanha contra #Donald Trump, entre eles estavam Scarlett Johansson, Mark Ruffalo, Julianne Moore, Robert Downey e outros. Alguns fizeram promessa inusitadas, como Ruffalo, que prometeu que caso Trump não fosse eleito, sairia nu em seu próximo filme.

Robert de Niro, também não deixou por menos e disse que tinha vontade de socar a cara de Trump.

Mas o milionário excêntrico foi eleito e muitos acharam que os protesto dos atores terminariam por aí, mas não foi o que aconteceu.

Meryl Streep, em plena entrega do Globo de ouro, após ter recebido a premiação honorária Cecil B.

Publicidade
Publicidade

DeMille, discursou criticando Trump sem dizer seu nome, afirmando que, em 2015, ele teria zombado de um jornalista deficiente do jornal The New York Times, Serge Kovaleski.

A premiada atriz se referiu a quando o presidente, em um comício, disse sobre o jornalista: "Você tem que ver esse cara", e fez caras e bocas e gestos de forma desordenada.

O jornalista sofre de uma doença crônica chamada artogripose, que compromete seus movimentos e articulações.

Meryl Streep disse que a imitação partiu seu coração e não conseguia tirá-la da cabeça. “Quando os poderosos usam sua posição para intimidar os outros, todos perdemos”, lamentou a atriz.

Trump não deixou por menos e debochou da atriz, dizendo que a mesma era supervalorizada e “lacaia” de Hillary Clinton, a candidata derrotada nas eleições.

“Meryl Streep, uma das atrizes mais supervalorizadas em Hollywood, não me conhece, mas me atacou ontem à noite no Globo de Ouro.

Publicidade

Ela é uma lacaia de Hillary que perdeu mal”, escreveu Trump em uma rede social. Trump defendeu-se dizendo que nunca zombou do jornalista, mas apenas defendeu-se, mostrando que ele alterou uma reportagem antiga com o intuito de atacá-lo.

A atriz citou a diversidade de atores estrangeiros no cinema desde os primórdios, referindo-se aos discursos contrários de Donald Trump aos imigrantes nos Estados Unidos.

“Hollywood está cheia de estrangeiros. Se expulsarmos todos eles vocês não terão nada para assistir, exceto por futebol e artes marciais mistas”, disse a atriz. #Política #EUA