Chuanfang Zheng, de 30 anos, está sendo acusada pela morte da sobrinha bebê. A menina tinha sete meses quando ficou em casa, sob os cuidados de uma tia, enquanto seus pais estavam trabalhando no restaurante chinês da família. O caso aconteceu em Lutterworth, Leicestershire, na Inglaterra, e é chocante a forma que essa mulher teria usado para 'acalmar' a menina chorosa. O incidente está agora sendo julgado no tribunal de Leicester, e Zheng está negando ter alguma culpa na morte da sobrinha, apesar de todas as provas parecerem contra ela.

A bebê Phoebe Guo não teria ficado por mais que meia hora com essa tia, que nessa noite seria também sua #AMA.

Publicidade
Publicidade

A mulher tinha três filhos e ficou cuidando das crianças, enquanto que a família trabalhava no restaurante. No entanto, sua paciência teria durado muito pouco perante os choro constante da sobrinha. Ela teria usado o método mais violento para a acalmar. Pelas lesões cerebrais, a autópsia provou que essa menina teria sido sacudida até à morte. A violência extrema desse movimento teria provocado o desmaio da bebê. Foi nesse momento que Zheng saiu correndo, pedindo ajuda.

A tia levou a menina até seus pais, no restaurante, onde tentaram chamar a emergência. As dificuldades dessa família chinesa com o inglês não teria facilitado e eles foram mesmo no hospital por seus meios. Porém, passados três dias, a menina não resistiu e morreu.

Zheng nega responsabilidade na morte da sobrinha. Ela fala que a menina se engasgou com a comida e, quando perdeu os sentidos, como ela não sabia o que fazer, saiu correndo, pedindo por ajuda para os pais.

Publicidade

De acordo com a defesa dessa mulher, a única coisa que poderia explicar os danos cerebrais da bebê seriam as tentativas de reanimação da mãe, que teria abanado a menina.

Apesar de sua tentativa de defesa, no tribunal, ela está aparecendo como suspeita única. Na apresentação do caso, o tribunal escutou que a bebê bebê sofreu "uma lesão catastrófica e fatal, com sangramento significativo no cérebro e atrás dos olhos", durante o tempo que ficou sob os cuidados da tia. Os maus tratos teriam sido infligidos por a bebê se recusar a comer e por não parar de chorar.

O tribunal sabe, no entanto, que nunca será claro se essa mulher fez isso propositadamente ou se foi um descontrole momentânea que a levou a sacudir a criança agressivamente para acalmá-la.

O julgamento termina dentro de três semanas. #Bebê #Crime