Qual a pior face do #Racismo? Se você nunca viveu na pele o que é a discriminação devido à pigmentação da pele, provavelmente não saberá responder a essa questão. Mas, perguntando a qualquer pessoa negra, talvez você ouça uma resposta alarmante: o racismo mata!

E se não mata diretamente, a discriminação racial é capaz de causar mortes de forma indireta, destruindo famílias e sonhos. E foi exatamente isso que ocorreu recentemente na Itália, mais precisamente na cidade de Campagna, perto de Salerno, na região sul do país.

Depois de sofrer com fortes agressões racistas e bullying pelo fato de ser negra, uma menina de apenas 13 anos tirou a própria vida: no dia 13 de janeiro, ela se jogou da janela do prédio de onde morava, uma altura de quase 7 metros, e não resistiu aos ferimentos.

Publicidade
Publicidade

A mídia italiana divulgou o caso nesta semana.

Racismo no caminho da escola

De acordo com informações de jornais da Itália, a garota sempre era insultada por sua cor de pele enquanto caminhava para a escola. Segundo as informações, as frases de cunho racistas eram faladas até pelas mães de outras crianças. Um amigo de escola da brasileira teria confirmado que ela era vítima de ataques racistas.

Mesmo com tão pouca idade, a menina já mostrava que estaria sofrendo de uma grave depressão, pois há muitos indícios de que ela se auto-mutilava, tanto que há algum tempo ela começou a fazer acompanhamento com psicólogos. Para as autoridades que acompanham o racismo que a garota sofreu, o caso é alvo de uma investigação. Os policiais investigam se as agressões racistas têm ligação com o #Suicídio da jovem.

Publicidade

Uma família destruída

Para não expor a família, que se encontra muito fragilizada, as autoridades não revelaram os nomes. No entanto, revelaram a história da jovem. A garota nasceu no Brasil, mas foi adotada por italianos quando tinha seis anos. Além da menina, a família também adotou seus dois irmãos, que hoje estão com 15 e 9 anos de idade.

Além de buscarem justiça para o caso da filha, vítima de racismo, os pais também culpam o atendimento de emergência que teria demorado pelo menos 45 minutos para chegar até a menina. Ela chegou a ser socorrida com vida e foi levada para um hospital, mas faleceu cerca de duas horas depois. #criança